Conheça a história do primeiro carro elétrico brasileiro – CURIOSIDADE

Conheça a história do primeiro carro elétrico brasileiro

IQA supera metas em 2020 e projeta crescimento em projetos de Transformação Digital para 2021
3 de fevereiro de 2021
Tecfil lança 246 novos filtros em 2020
5 de fevereiro de 2021

Conheça a história do primeiro carro elétrico brasileiro

Crédito: Revista Quatro Rodas

Crédito: Revista Quatro Rodas

Antes mesmo das grandes montadoras multinacionais perceberem que o futuro dos automóveis seria a eletricidade, uma empresa brasileira desenvolveu em 1974 aquele que seria o primeiro carro elétrica da América Latina.

A Gurgel, encabeçada pelo engenheiro, empresário e criador da montadora João Augusto do Amaral Gurgel (falecido em 2009) desenvolveu o Gurgel Itaipu, veículo 100% elétrico e brasileiro.

O Itaipu tinha carroceria de fibra de vidro, com 2,65 metros de comprimento por 1,40 de largura. O motor gerava 3,2 kW, equivalente a 4,2 cv, com velocidade máxima de 50 km/h e autonomia de 60 a 80 quilômetros com carga total.

João Augusto do Amaral Gurgel apresentando o Itaipu no Programo Silvio Santos

O custo por quilômetro rodado da eletricidade era menos da metade que o da gasolina, mas a autonomia era o seu maior problema, a recarga completa do veículo levava 10 horas. Esse e outros problemas impossibilitaram que esse experimento da Gurgel fosse para a linha de produção.

O conceito, como acabou se provando, era interessante e mesmo o Itaipu não indo para as ruas, serviu de base para o E-400.

O utilitário foi produzido entre os anos de 1981 e 1982 e se tornou o primeiro carro elétrico produzido em série no Brasil.

Gurgel ITAIPU E-400

2 Comentários

  1. […] Gurgel aventurou-se o ramo de veículos elétrico, conseguido fazer uma produção em série com o Itaipu E150. Entretanto, os modelos não vingaram por terem alto custo das baterias e autonomia pequena; logo a […]

  2. Amaro de Souza disse:

    A Gurgel Motores, foi a pioneira na construção do carro 100% brasileiro, produzindo carros inovadores e econômicos de altíssima qualidade. Foi boicoitada e trucidada pelo sindicato, por políticos que atuavam e ainda atuam na política. O espírito de vira-latas superou as tentativas de crescimento de nossa verdadeira é única indústria nacional de automotores. Começo glorioso e final muito triste.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *