Campanhas certeiras. Dicas de como criar ações de marketing

10/12/2019

 

Mesmo em plena era digital, pesquisa aponta que Meios offline, como folders, banners e mala direta ainda são a grande pedida

 

 

Muitas vezes, quando o empresário da reparação pensa em fazer campanhas impressas, como mala direta e folders com descontos, logo ele pensa que isso é um custo alto. Com toda a tecnologia existente, Hugo Rodrigues, diretor Geral da Printi, desmistifica este pensamento. “Em muitos casos, a empresa que está criando a promoção não consegue separar os materiais comprados, administrar o estoque destes e mandar para diferentes endereços”.

 

Segundo ele, existe tecnologia no mercado capaz de otimizar todo esse processo. “Funciona como uma loja personalizada na qual o anunciante insere os materiais necessários para a campanha, já com a identidade visual alinhada com a estratégia da ação. Essa tecnologia também resolve a dor da distribuição, que tudo é feito pela plataforma que cede o espaço dentro do e-commerce do fornecedor que viabiliza esse sistema”.

 

Mesmo em plena era digital, Rodrigues cita que, de acordo com uma pesquisa da Kantar, cerca de 75% dos entrevistados preferem a publicidade offline aos anúncios online. Além disso, 30% da população brasileira não utilizam a internet, segundo o IBGE. “Mesmo na era digital, muitas empresas apostam em estratégias que envolvem materiais impressos na hora de executarem uma campanha de comunicação, incentivo ou até para atração de talentos”.

 

 

Planejamento – A dica de Rodrigues é planejar as campanhas que serão feitas anualmente. “Monte um calendário anual com as datas mais significativas, como os períodos de sazonalidade. É possível solicitar materiais com baixa tiragem até para evitar que eles sejam estocados na oficina e evitar desperdícios. A vantagem é solicitá-los conforme a sua necessidade e o calendário estipulado, sem que ele tenha a mesma mensagem o ano inteiro, pois se assim fosse o cliente não seria mais impactado”.

 

Também é possível produzir baixa tiragem de materiais para campanhas que surgiram de última hora, a exemplo de algum assunto que você gostaria de comunicar ou de realizar uma promoção esporádica. “Isso é possível pela tecnologia que utilizamos hoje, de termos o melhor aproveitamento das máquinas para a produção de materiais, inclusive, em uma mesma folha conectando todos os pedidos e que depois são separados por clientes”.

 

Apresentação – Rodrigues alerta para a importância de uma comunicação bem feita. “Se ninguém faz isso na sua região, mais uma razão para fazer, pois você irá se diferenciar. Uma oficina que tem uma comunicação bem feita, com materiais de qualidade, uma linguagem clara e transparente de como ela funciona, ela passa credibilidade. Para o leigo que está procurando uma prestadora de serviço, ela sai na frente”.

 

E o momento é propício para isso. “Estamos em um momento em que conseguimos democratizar um material para ser feito com qualidade, desde a criação do designer até a impressão e distribuição. Todo mundo merece divulgar o seu negócio da melhor maneira possível. Pequenas tiragens são uma forma diferente de se trabalhar do que o mundo gráfico faz. O que significa dizer que é acessível aos empresários, que cabe no seu bolso”.

 

Retorno – Como todo o empresário quer ter o retorno do investimento, meios existem para mensurar no caso de campanhas impressas. “O retorno pode ser mensurado por alguns meios, como pelo voucher de desconto ou alguma ação que possa ser colocada de maneira online ou até offline tendo um controle da campanha, atrelando às vendas. Esse retorno é importante também para o empresário medir se a linguagem que ele está usando está adequada”.

 

Offline e online – Outra dica de Rodrigues é utilizar tanto o meio offline como o digital para as campanhas, ambos com a mesma linguagem. “Supondo que seja criada uma arte para o folder, a mesma deve ser utilizada no Facebook e/ou no site da sua oficina, no mesmo período de validade da campanha. A mesma grafia e as mesmas cores ajudam a construir a sua marca. O cliente é impactado no online e tem um reforço da mensagem quando chega na oficina”.

 

Fidelização – Para finalizar, Rodrigues diz para tanto não subestimar a experiência para atrair novos clientes, quanto para lidar com os clientes já existentes. “Ele passou na oficina, entregue um brinde ou um voucher para uma próxima compra, ative este cliente. Às vezes um pequeno brinde de aniversário faz a diferença, mostra o cuidado que você tem com a sua base de clientes. Com um pouco de organização dá para fazer bem feito. Como cliente de oficina, a que faz isso me impressiona”.

 

Uma necessidade

 

Sem nunca antes ter feito uma campanha para atrair clientes para a oficina, neste ano a mecânica Alemão O Bom, localizada em São Paulo (SP), decidiu que era o momento de fazê-la. “Nunca fizemos campanhas, não precisávamos, mas estamos querendo começar a chamar a atenção dos clientes. O mercado está pedindo isso, quem não faz fica para trás”, explica Fabiana Guadani.

 

Desde outubro, na frente da oficina um banner foi disponibilizado e nas redes sociais, Instagram e Facebook, a mesma linguagem foi utilizada. “É um banner

com um material bem bonito para encher os olhos do cliente e ele ver que realmente vale a pena. A campanha consiste em desconto na troca do óleo para pagamento à vista, ganha uma lavagem quem faz a revisão conosco e desconto também para o cliente que nos indica para outro”.

 

Ela comenta que como o cliente atualmente está procurando mais por preço do que por qualidade, um reforço na campanha precisa ser feito quando ele vai à oficina. “Não se pode perder a qualidade, mas também não podemos perder o cliente. Além da campanha, nós o envolvemos com informações sobre o serviço de qualidade, explicando a importância disso para ele. E o resultado, o retorno com a campanha está sendo grande por conta da propaganda”, conclui.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  • Facebook Social Icon
DESTAQUE NA REPARAÇÃO

Revista Reparação Automotiva Edição 141

29/05/2020

1/3
Please reload

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Please reload