Ruído ao esterçar o volante do Nissan March 2014

17/09/2019

 

O supervisor de Treinamento Técnico da Tenneco, Juliano Caretta, faz a manutenção num Nissan March 2014 – com cerca de 50 mil quilômetros – que apresenta ruído ao esterçar o volante. “Para corrigir esse problema e revisar toda a suspensão, nós aproveitaremos que o carro está apoiado ao solo para tirar a pressão de aperto da fixação superior do amortecedor. 

 

Depois disso, tiraremos a calota do automóvel e a pressão de aperto das porcas que prendem a roda no cubo. Nós iremos levantá-lo no elevador e remover o conjunto de rodas e pneus para acessarmos à suspensão dianteira do veículo”, diz. 

 

Procedimento
Na sequência da desmontagem, nós vamos soltar o ABS, que está preso na base do amortecedor.

 

Depois disso, soltaremos o flexível de freio, que está preso no suporte e, assim, podemos tirar os parafusos que prendem o amortecedor na manga de eixo do veículo.

 Dessa forma, toda a parte inferior já estará devidamente solta, para que assim possamos soltar o conjunto do amortecedor e levar para bancada. Para isso, soltaremos o parafuso da fixação superior do amortecedor. 

Agora, com a retirada do conjunto da suspensão, nós o trouxemos para a bancada onde o próximo passo será comprimir a mola, aliviando toda a carga que a mola exerce no conjunto, com ajuda do encolhedor de mola. Nesse procedimento, para encolher as molas, é muito importante que você escolha um ferramental apropriado e que te ofereça segurança – no caso, estamos usando o encolhedor hidráulico. Outro fator importante é prestar atenção ao posicionamento das garras: onde uma garra esteja sempre ao lado oposto da outra, para que no momento da compressão a mola possa ser pressionada de forma igual. 

 

Já comprimimos parte da mola e ela se encontra livre dentro do conjunto, este, então, é o momento ideal para soltarmos a fixação superior. Depois, com ajuda de uma ferramenta especial, nós vamos segurar a haste do amortecedor e girar apenas a porca de fixação. Após soltarmos a porca que prende todo o conjunto de amortecedor, nós iremos desmontar todas as peças que fazem parte desse conjunto. 

 

Provavelmente, aquele problema de ruído, que comentamos no início, seja em razão do mau funcionamento ou do desgaste ocasionado pelo rolamento. Na sequência, veremos com o prato superior do amortecedor, o apoio superior, que já vem montado com o batente e o guarda-pó, formando, praticamente, uma peça só.  

 

Depois de tirar o prato com guarda-pó e batente, nós vamos retirar a mola também e como a mola é um componente, uma peça, que trabalha junto com o amortecedor, o recomendado é que também se faça uma avaliação técnica na mola e verifique-se se há pontos em que a mola estiver enferrujada, oxidada ou se existem marcas de toque entre os elos, pois isso determina o enfraquecimento de carga da mola. Sempre que existir qualquer tipo de indício, qualquer sinal como este, a troca do componente deve ser realizada. 

 

E, finalmente, chegamos ao amortecedor. Como já é um carro que apresenta quase 60 mil quilômetros, faremos uma troca preventiva – uma vez que visualmente não foi constatado nenhum problema. Mas testes realizados aqui na Monroe detectaram que a cada quilômetro rodado a peça abre e fecha, aproximadamente, 2.600 vezes. Com essa quilometragem que o carro apresenta, ele já se movimentou mais de 100 milhões de vezes, o que gera o desgaste do produto. 

 

Por essa razão, iremos aproveitar também a oportunidade para trocar essa peça. É importante lembrar que um produto recuperado prejudica a segurança do veículo. Para que ela não seja recuperada, então, eu te convido a passar a haste no esmeril e, depois, com o uso de um martelo ou uma marreta, dê uma pancada no tubo para inutilizar a peça, evitando a reutilização. Como o amortecedor é um item de segurança, é necessário sempre efetuar a troca por uma peça nova. 

 

Chegamos ao final do processo de desmontagem da suspensão dianteira do veículo, agora, a gente vem com a montagem completa do automóvel. Depois disso, o próximo passo é verificar se o amortecedor é o correto mediante as características técnicas do veículo. Por que isso? Muitos amortecedores são semelhantes, os mesmos tamanho e formato, mas a grande diferença está na carga do amortecedor. Seja na pressão de abertura ou de fechamento, porque cada amortecedor foi desenvolvido seguindo rigorosamente as características técnicas do carro. Por isso é essencial que você confira a aplicação e siga o que está recomendado no catálogo. 

 

O próximo passo é fazer a equalização do produto. Ou seja, fazer com que o item esteja pronto para trabalhar logo nos primeiros minutos de uso para evitar qualquer tipo de problema ou até mesmo provocar um defeito na peça. O procedimento é muito simples. Inclusive, convido vocês a acessarem nossa playlist, onde há um vídeo que trata especificamente desse assunto. Mas, mesmo assim, faremos uma demonstração nesta etapa. 

 

 

Vamos pegar o amortecedor e colocá-lo na sua posição de trabalho no veículo. Ou seja, como se estivesse de pé. Com ele em pé, nós abriremos a haste até o final – assim como está aqui. 

 

Depois da haste aberta, viramos a peça e pressionamos contra a bancada, para que assim possamos fazer o fechamento do amortecedor até o final.

 

Então, fecharemos a peça até o final. Quando chegar ao fim, seguramos a haste, para que ela não se movimente, e voltamos o amortecedor à sua posição de trabalho. E, assim, vamos abrir a peça. Como esse amortecedor é um pressurizado, tem a característica da arte subir sozinha, nós temos duas opções: podemos esperar, ou também, ajudar com a mão. 

 

Depois que ele abriu totalmente, mais uma vez, nós vamos virar e fechar o amortecedor até o final. Então, toda vez que ele abrir e fechar, contaremos como um ciclo. O recomendado aqui nesta etapa é que sejam feitos de três a quatro ciclos, isso garantirá que o item tenha total desempenho logo que o carro sair para rodar pelas ruas ou estradas. Na sequência, nós prendemos o amortecedor na morsa e, assim, iniciaremos o processo de montagem. 

 

O próximo componente a ser montado é a mola. Então, como vocês podem verificar, fizemos um procedimento muito interessante de vestir tanto os primeiros elos superiores, como também os elos inferiores com uma mangueira de borracha – para evitar o aparecimento de ruídos ou barulhos inconvenientes.

 

Sem a mangueira, a mola fica em contato permanente com o prato inferior e igualmente com o prato superior, provocando esse tipo de problema. Por isso, recomendo que você também faça isso, pois garante um serviço bem executado. 

 

Pegamos a mola, garantindo o seu perfeito posicionamento, sempre no prato inferior onde temos um degrau chamado de estope. Então, a ponta da mola coincide por ali. Depois de montada a mola, pegamos o conjunto formado pelo guarda-pó e batente, uma peça só feita de borracha, e inicialmente colocaremos esse produto no prato superior, formando um produto só. Para montar é bastante simples, consiste apenas em encaixar a parte superior do batente no prato e forçar automaticamente, você já sabe que faz o encaixe do item. Percebam que ele ficou uma peça só colocada. 

 Após montado, a gente vem montando na parte superior e o batente evita o fechamento total do amortecedor, ele é um limitador de curso e o guarda-pó, também conhecido como coifa, evita a entrada de sujeira no amortecedor. São produtos essenciais e quando estiverem desgastados devem ser substituídos assim como estamos fazendo aqui. 

 

Na sequência, nós vamos entrar aqui com o rolamento, um novo já que o anterior era a peça que estava provocando ruídos no esterçamento do volante, e ele será montado no coxim de fixação superior. O coxim é uma peça essencial porque ameniza e absorve os impactos e oscilações de todo o conjunto. Ele faz o isolamento do conjunto do amortecedor junto à carroceria. Então, sempre que tiver uma borracha cortada, desgastada, soltando, são itens que precisam de diagnóstico para que quando estiverem danificados sejam trocados.

 

Primeiro, montaremos o rolamento no coxim e nessa operação, caso queira, você pode vir com o rolamento direto. Nesse caso, a sequência e a ordem não alteram o funcionamento, mas para garantir o perfeito assentamento do rolamento do coxim, fizemos essa colocação antecipadamente. Então, montamos aqui e, finalmente, fechamos todo o pacote com o aperto da porca de fixação. Depois de apertar todo o conjunto, nós liberamos a pressão da mola para que o conjunto seja colocado na suspensão. 

 

Para a montagem desse conjunto, nós vamos seguir rigorosamente a ordem inversa da desmontagem, conforme você acompanhou anteriormente. Colocamos o amortecedor de baixo para cima, já posicionamos ele na parte superior e colocamos a porca para que ele tenha sustentação na peça. 

 

Na sequência, nós vamos colocar os parafusos que prendem a fixação de baixo, depois o flexível do freio e, por fim, o sensor do ABS. 

 

Após instalado o conjunto do amortecedor na suspensão dianteira, as próximas etapas aqui são as seguintes: nós vamos colocar o conjunto roda e pneu, e depois podemos abaixar o carro para o chão. Daremos o aperto final que prende as porcas do conjunto roda e pneu e, finalmente, o aperto final da fixação superior do amortecedor.

 

Após, é só enviar o carro para fazer o alinhamento e balanceamento das rodas para garantir uma melhor dirigibilidade. 

 

Chegamos ao final de todo o procedimento de montagem e instalação da suspensão dianteira do Nissan March 2014 e tenho certeza que esse passo a passo vai ajudá-lo a fazer o trabalho de forma correta, evitando assim possíveis retrabalhos. Convido vocês a se inscreverem no nosso canal e ativarem as notificações. Um forte abraço e até o próximo vídeo!  

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  • Facebook Social Icon
DESTAQUE NA REPARAÇÃO

Leia a versão digital de Janeiro da Revista Reparação Automotiva.

21/01/2020

1/3
Please reload

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Please reload