Falha do controle de pressão no circuito de baixa da linha de combustível

14/08/2019

Procedimento na Mercedes C180 para mostrar como funciona o sistema e como isso ocorre do tanque até o motor do veículo

 

Fernando Toledo, dono de uma oficina na cidade de Águas de Lindóia (SP) e da Gardi Treinamentos, está na oficina Power Class, em São Bernardo do Campo (SP), com uma Mercedes C180 com falha no controle de pressão do combustível. “Esse é um carro com injeção direta, então, é monitorado, desde a linha de baixa pressão, totalmente digital, e é um monitoramento eficiente de pressão e temperatura de combustível”. 

 

“Estamos aqui coletando dados de um carro - tenho um trabalho em campo também, para montar material e mostraremos uma falha numa Mercedes C180 2015, falha de injeção direta no circuito de baixa pressão de combustível. Essa falha vem, de origem, do tanque do veículo, mas seguiremos um passo a passo para mostrar como funciona esse sistema e como isso acontece desde o tanque até o motor do carro”. 

 

Procedimento

Vamos começar visualizando o quadro de falha do carro: qual é o código de falha e o porquê de a lâmpada estar acesa. Nós dispomos de dois tipos de diagnósticos para esse veículo: pela unidade de controle do motor ou circuito de controle de baixa pressão. Temos a unidade que faz o controle do tanque de combustível para frente do motor. Mas lá apresentamos um diagnóstico de OBD2. Mostraremos para vocês o passo a passo aqui. 

 

Passo 1 - Vamos olhar os quadros de falha que o carro possui, compõem a luz de injeção acesa, falha de pressão de combustível e circuito de pressão baixa do combustível. Está muito baixa. É uma falha geral pendente. Com esse quadro, que tiramos da central de injeção eletrônica, agora nós buscaremos o dado da injeção eletrônica mais o dado de controle do motor, que é da linha de alta pressão, por enquanto. 

 

Então, nós vamos voltar no passo de dados e daremos uma olhadinha na pressão de combustível.

 

 

E aqui informa: controle de alta pressão, ok, e iremos olhar a velocidade de pressão do motor em marcha lenta que é 0 RPM, temperatura de combustível dos 50 graus, ângulo da atuação da válvula de controle da quantidade de combustível 94% e a pressão da linha de combustível, da linha de alta, 162,8 como base de pressão. Essa é a pressão agora, neste momento lá no distribuidor de combustível que fica em frente ao motor. Nós vamos ligar o carro para ver o quanto trabalha essa questão de combustível e qual valor trabalha a linha de alta pressão. 

 

Passo 2 - Bom, então estamos aqui com o carro ligado agora e os número são: 770 RPM, 49 graus de temperatura do combustível, atuação de controle da válvula reguladora de pressão de combustível e nos encontramos até o momento em 34% de atuação - estávamos com a chave ligada em quase 100%. E nesse momento está com 34% e a pressão do combustível está em torno de 130 bars de pressão.

 

Então, o diagnóstico que fizemos com o scanner foi da linha de controle do motor, a linha de alta pressão. Agora faremos o diagnóstico do tanque de combustível e veremos a falha que tem origem no tanque de combustível. O diagnóstico até o momento será feito pelo scanner ligado via OBD2, mas monitorando a bomba de baixa pressão e olhando pela unidade de controle da bomba,  que é o tal do módulo EKP. Faremos o diagnóstico a partir do módulo da bomba de combustível que está situado no tanque de combustível. O módulo de gerenciamento da bomba de combustível está aqui para fazer uma comunicação com a central de injeção e também gerenciar a pressão de combustível do tanque e que levará até o motor do carro. 

 

Passo 3 - Com o scanner ligado, bomba de combustível ok, que é o que controla a bomba de baixa e é com ela que vamos nos comunicar. Códigos de falha, e o que foi informado pelo aparelho foi o código P2542, 

que é o sensor de pressão do circuito de combustível de baixa pressão e um curto circuito. 

 O outro código é 0183: sensor de temperatura de combustível está em curto circuito. Então, na verdade, nós temos aqui dentro do tanque de combustível, olhando pelo módulo de controle e fazendo diagnóstico a partir do tanque. Nós contamos com um sensor digital que mede a pressão do combustível, da linha de baixa, e a temperatura do combustível num único sensor. 

 

Passo 4 - Vamos entrar na leitura de dados de bombas para baixa pressão de combustível. 

 

Aqui, nós temos uma bomba de combustível de três fios e é uma bomba que tem um gerenciamento diferente numa bomba de combustível que estamos acostumados que são de dois cabos elétricos. 

 

Vamos voltar ao diagnóstico, os dados voltados à tensão de alimentação do modo, o status da ignição como ligado e a solicitação para combustível através da mensagem em CAN - nós não marcamos -, circuito de bomba de combustível em corrente 0 e os dados aqui estão voltados à pressão de baixa da linha de combustível. Tá tudo aqui, inclusive a quantidade de combustível em litros, dentro do tanque do carro. Agora veremos como o sensor se comporta através do osciloscópio. 

 

Primeiro, faremos uma análise aqui e nós já vimos também que a pressão do combustível não está marcando bomba de combustível e pressão do combustível está em zero - o que significa que não está marcando a linha de baixa pelo scanner. E nós testamos a unidade da linha de controle da bomba e faremos agora a linha de análise com o sensor de osciloscópio. 

 

Dentro do carro, mediremos com o sensor de pressão de combustível e pegaremos o sinal dele que é o mesmo que lê a temperatura do combustível.

 

Passo 5 - Pegamos a pinça e conectamos no pino de saída do sensor - onde vem a informação na unidade de controle da bomba, que faz o controle da pressão da linha de combustível que está lá no manômetro, faz o controle da temperatura do combustível e esse sensor é o que manda a informação para o módulo - este último, que manda o sinal para unidade de controle do motor da pressão e temperatura do circuito. 

 

 

Com o osciloscópio ligado no canal 1 no fio de saída do sinal e no canal 2 aqui, fica ligado no fio de entrada no sensor de controle da bomba. Nós verificamos que a chave está ligada e não temos trabalho desse sensor, já que é um sensor que está informando uma tensão de 4,3 volts de cada linha. Isso significa que são 4,3 volts lá e chegam 4,3 aqui. Então esse sensor está parado, ele tem uma tensão contínua. 

 

Agora faremos o seguinte: o mesmo teste que aplicamos antes, mas com a substituição da peça tendo sido feita. 

 

Passo 6 - Para isso, iniciaremos o processo de troca da peça com análise do circuito via scanner. Nós analisamos o módulo pelo scanner também, e até o momento o controle do sinal que sai do sensor e chega na unidade. Realmente o sensor está parado, não tem trabalho. Nesse momento faremos a troca e o teste novamente. 

Depois de removermos o conjunto do tanque de combustível, a bomba mais o sensor - na verdade, o sensor está incorporado ao circuito de alimentação da linha de baixa e é um sensor de três cabos, só que é um sensor com a concessão do próprio sinal diferenciado. 

 

 

Não é um sinal analógico. Temos um cabo massa, que vai ligado à bomba de combustível para a parte da estática do conjunto e aqui possuímos três cabos grossos que são os que compõem o acionamento da bomba de baixa pressão. 

 É uma bomba com construção interna diferenciada. Essa tomada vai ligada no terminal da tampa e transporta a informação de dentro do sensor para fora da tampa, onde testamos. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

E a forma que mostramos no osciloscópio que realmente essa peça não está funcionando como conjunto. Então não troque o conjunto separadamente, melhor completo. 

 

Deixaremos a peça velha de lado e mostraremos a peça nova para vocês: 

 o sensor, já incorporado com a tampa e filtro, a bomba também está aqui. Então vem tudo pronto para instalar no carro. Instalaremos, consultaremos os dados usando o osciloscópio e checaremos o código de fábrica. Instalamos o conjunto e estamos, outra vez, diante do canal amarelo e do canal verde. 

 

Passo 7 - Então vamos instalar agora o sinal digital que leva a informação do sensor para a unidade de controle da bomba de combustível, onde vai para o controle do motor que é via Rede CAN. Temos um sinal digital na frequência de 5 a 6 mil hertz de frequência. Aqui ele transmite o dado de pressão do combustível e de temperatura de combustível. 

 

O sinal está lá amarelo com saída da tampa do sensor. Podemos observar também ele entrando pelo canal do osciloscópio, amarelo de saída e verde entrando no sensor. 

 

Funcionando perfeitamente, alimentado de 5 volts e gera um sinal com a ordem de 3,7 volts ~3,8 volts. Esse teste fizemos com o osciloscópio do sinal digital, diferente do comum que é o analógico. 

 

Agora, com o scanner, identificaremos o código de falha, se ele sumiu e a linha de pressão de baixa e de alta. Nós analisaremos as duas e finalizamos o diagnóstico fácil e preciso. Parece fácil, mas é necessário conhecer a ferramenta e entender como funcionam os sistemas. 

 

Passo 8 - Estamos aqui com os scanners ligados novamente para verificarmos o número de falha. Para módulo da bomba, já não há mais nenhum código presente. E nos dados referentes aos que não mostrava no equipamento. Nesse momento temos dados de pressão, corrente da bomba e a pressão do combustível marcando 4,5 bars. 

 

 

O que mostra lá no meu manômetro analógico também, o que demonstra que o sistema voltou a trabalhar.  Em suma, o setor digital faz análise de pressão e temperatura - ele mesmo gerava esse código de falha. É uma construção diferenciada do sensor, então está aí o diagnóstico. Novamente, na unidade de controle do motor, colocar uma tela aqui e nenhum código de tela é informado. Agora mostraremos o carro em marcha lenta, o que não apresenta mais código de falha como registrava antes. 

 

Com o carro ligado, o scanner também não indica mais nenhum código. E na linha de pressão de combustível, de alta, 750 RPM,

temperatura 48º e a atuação da válvula em 35%. Já em marcha lenta, a pressão da linha é 128 bars de pressão. Assim acabamos o diagnóstico da linha de baixa e alta pressão.

 

Solução da falha: troca da unidade e o motivo era o sensor de pressão da linha baixa - que controla temperatura e pressão. Então, essa é mais uma dica da TV Reparação Automotiva. 

 

Você pode acompanhar nossos vídeos pelo Youtube e acessar o site da Gardi Treinamentos. Até mais

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  • Facebook Social Icon
DESTAQUE NA REPARAÇÃO

Leia a versão digital de Janeiro da Revista Reparação Automotiva.

21/01/2020

1/3
Please reload

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Please reload