OS DIFERENTES TIPOS DE VÁLVULAS EM UMA TRANSMISSÃO AUTOMÁTICA

25/06/2019

 

Esta matéria se destina aos novos técnicos que estão iniciando nesta fascinante profissão: a de reparador de transmissões automáticas. Surpreendentemente, muitos veteranos na reparação se interessam por este assunto, mostrando que todos nós precisamos de uma escovada de vez em quando para estar em dia com a técnica.

 

Nesta matéria, vamos estudar um pouco os corpos de válvulas e os tipos básicos de válvulas que vemos frequentemente em nosso trabalho, em quase todos os tipos de transmissão.

 

Não muito tempo atrás, as transmissões automáticas ainda utilizavam válvulas de aceleração ou de redução, (sinais de carga do motor), e válvulas governadoras (sinais de velocidade do veículo) para controlar a sensibilidade e o momento das mudanças. Os cabos de acelerador e linhas de vácuo eram conectados desde o motor até a transmissão. A válvula do governador estava ligada ao eixo de saída e fornecia ao corpo de válvulas um sinal variável de pressão que mudava de acordo com a velocidade do veículo. Quanto maior a velocidade do veículo, maior a pressão gerada pelo governador.

 

As transmissões mais modernas são controladas completamente por computador.

O motor e a transmissão possuem muitos sensores eletrônicos e computadores para controlar o tempo e a sensibilidade das mudanças de marcha. Isto posto, vemos que as transmissões, sejam antigas ou modernas, possuem ainda as mesmas válvulas básicas no corpo de válvulas.

 

TIPOS DE VÁLVULAS

Existe muita variedade de corpos de válvulas. Cada um deles funciona e parece de alguma maneira diferente entre si. Mas a despeito destas variações, existem somente três tipos de válvulas.

 

1. Válvulas reguladoras – uma válvula reguladora diminui a pressão a partir de uma fonte de pressão mais alta.

 

Uma válvula reguladora pode ter um ajuste fixo, produzindo uma pressão constante, ou ela pode variar a saída de pressão, baseada em influências de uma força mecânica ou pressão hidráulica.

 

2. Válvulas interruptoras – uma válvula interruptora trabalha como um interruptor de luz. Ou está ligada ou desligada. Ela fornece alimentação de fluido a um componente ou a uma outra válvula, ou ela drena o fluido para o cárter. A válvula mais comum deste tipo é a válvula de mudança. Ela direciona fluido a um elemento de aplicação tal como um servo ou tambor de embreagem, ou pode direcionar o fluido sob pressão entre duas outras válvulas.

 

3. Válvulas servos – uma válvula servo movimenta uma outra válvula, podendo ser um válvula reguladora ou uma válvula interruptora.

 

IDENTIFICAÇÃO DAS VÁLVULAS

 

Válvulas reguladoras – um dos primeiros exercícios no entendimento das funções das válvulas e interpretação de esquemas hidráulicos é identificar os três tipos de válvulas.

 

A válvula reguladora é a mais comum, mas a mais difícil de reconhecer porque existem vários tipos de reguladoras. Existem duas propriedades comuns a todas as válvulas reguladoras que ajudam a identificá-las.

 

1. Quase todas as válvulas reguladoras utilizam uma mola. (a única exceção são alguns poucos governadores).

 

2. Elas utilizam pressão de linha para mover a válvula em direção à mola.

 

Todas as válvulas reguladoras necessitam de um sistema de equilíbrio para manter a regulação. Muitos sistemas de equilíbrio captam a pressão que o sistema modificou e a aplicam em uma determinada área do regulador. Esta pressão de equilíbrio ou de balanceamento age na válvula para movê- la contra a pressão da mola.

 

Aqui vemos três tipos de válvulas reguladoras. No primeiro exemplo, o fluido balanceador é uma pressão regulada dirigida à extremidade da válvula (figura 1).

 

Um exemplo comum deste tipo de válvula reguladora em trabalho é a válvula solenoide reguladora em uma transmissão 6F35N e a válvula limitadora de alimentação do atuador em uma transmissão 6L80E (figura 2).

 

Embora estas válvulas possuam nomes diferentes, ambas realizam a mesma função básica. Regulam o fluido de alimentação aos solenoides de mudança de marcha. Também ambas as válvulas estão muito sujeitas ao desgaste de seus alojamentos, que podem causar problemas de engates e trancos. Certifique-se de tomar alguns cuidados extras ao inspecionar estas válvulas e seus alojamentos.

 

O segundo tipo de válvula reguladora utiliza um sistema de equilíbrio interno. A pressão neste caso não é direcionada à extremidade da válvula. Ao invés disto, a pressão se aloja entre dois gomos da válvula. Desde que o gomo mais próximo à mola seja maior, a força criada pela pressão hidráulica empurra a válvula contra a ação da mola (figura 3).

 

O terceiro tipo de válvula reguladora é o regulador de pressão principal, que funciona pela sangria da pressão diretamente da alimentação da bomba para manter uma pressão equilibrada.

A pressão de linha, proveniente da bomba para a válvula reguladora de pressão principal, vem direto da bomba ao invés de uma fonte regulada. Estas válvulas reguladoras de pressão principal utilizam a pressão de linha principal para fornecer uma pressão balanceadora. Isto evita que a pressão máxima ultrapasse o nível ajustado para o bom funcionamento do sistema (figura 4).

 

Válvulas interruptoras – válvulas interruptoras, como seus nomes indicam, interrompem o fluxo do óleo ou liberam o mesmo. Elas podem direcionar o fluido para um elemento de aplicação ou para uma outra válvula. As válvulas interruptoras não variam a pressão como uma válvula reguladora; ou elas estão abertas ou fechadas.

 

Tipicamente, quando uma válvula interruptora fecha um circuito, ela abrirá este mesmo circuito para escoamento ao cárter.

 

Existe uma particularidade da válvula interruptora que a torna fácil de identificar. Uma válvula interruptora não utiliza pressão de linha para seu movimento. Há sempre alguma outra força que movimenta a válvula.

 

Os próximos dois exemplos mostram duas válvulas interruptoras básicas. No primeiro exemplo, a válvula interruptora é controlada mecanicamente. Isto normalmente é o que encontramos numa válvula manual ou numa válvula de retenção (figura 5).

 

No segundo exemplo, a válvula interruptora é controlada por uma outra pressão (tipicamente proveniente de um solenoide). Este é normalmente um arranjo para válvulas de mudança (figura 6). Exemplos comuns de válvulas de mudança são as válvulas de mudança da transmissão 4L60E, controladas pelos solenoides de mudança.

 

Válvulas servo – as válvulas servo atendem a um objetivo principalmente, que é movimentar outras válvulas. Mas às vezes um fabricante também utiliza uma válvula servo como reguladora ou interruptora. Podemos considerar estas válvulas como válvulas combinadas.

 

 

Uma válvula combinada então pode ser chamada como válvula servo/interruptora ou servo/reguladora, mas sua função primária é de uma válvula servo (figura 7).

 

Válvulas interruptoras que regulam a pressão – muitas unidades hoje controlam a pressão de linha utilizando um solenoide modulado por pulsos. Estes solenoides são energizados e desenergizados muito rapidamente, regulando a pressão aplicada a um lado da válvula interruptora. Isto faz com que a válvula interruptora flutue entre totalmente aberta e totalmente fechada, regulando a pressão do circuito. Mesmo que estas válvulas regulem a pressão, ainda são consideradas válvulas interruptoras.

 

 

 

ALIMENTAÇÃO DO SOLENOIDE

Na figura 8, o solenoide está recebendo um sinal de pulsos. Estes pulsos são tão rápidos que fazem com que a válvula interruptora flutue entre aberta e fechada, fazendo com que a válvula atue como um regulador.

 

O corpo de válvulas da transmissão FORD 6R60 utiliza este tipo de válvula interruptora operada por solenoide para aplicar as embreagens e freios. Isto permite que o computador aplique e libere as embreagens e freios com grande precisão.

 

Quando começamos a trabalhar com transmissões automáticas, alguns de nós aprendemos com familiares, outros em escolas especializadas, e alguns aprenderam começando em oficinas, varrendo o chão e lavando peças até chegar no ponto em que estamos hoje.

 

O trabalho em transmissões é algo que aprendemos fazendo. Sim, necessitamos, é claro, de alguma aptidão mecânica básica para realizar este trabalho e bastante determinação para aprender. Quando aprendemos, ou deixamos que outros nos ensinem, nos tornamos um bom recurso na oficina.

 

O conhecimento dos vários tipos de válvulas, quais são, o que elas fazem e como executam suas funções poderá ajudar quando tivermos alguns problemas com a transmissão ou – e isto acontece demais – quando o veículo não parece funcionar direito.

 

E todos nós sabemos que quando as coisas funcionam direito e se comportam da maneira correta é muito mais fácil ter prazer em nosso trabalho.

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  • Facebook Social Icon
DESTAQUE NA REPARAÇÃO

Leia a versão digital de Dezembro da Revista Reparação Automotiva.

10/12/2019

1/3
Please reload

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Please reload