APLICAÇÃO INCORRETA DO DISCO DE FREIO DO FIAT IDEA E.TORQ

03/05/2019

Neste passo, reparador ensina como identificar o problema e fazer a substituição correta de pastilhas e discos de freio 

 

Nesta edição, iremos abordar a aplicação incorreta de discos de freio, especificamente, no Fiat Idea 1.6 16 válvulas, com o Ricardo Tatiyama, reparador e proprietário da ABC Freios, de São Caetano do Sul (SP), nosso parceiro de longa data. Neste procedimento, o experiente profissional irá abordar como deve ser feita a troca correta de pastilhas e discos de freio do Fiat Idea. 

 

Procedimento

Passo 1: Fizemos a desmontagem das rodas e uma pré-análise dos discos de freio. Constatamos que eles apresentam uma medida mínima, que seria de 20 milímetros. Essa medida é possível de constatar pela marcação no disco de freio. 

 

Passo 2: Então, como o disco é de ferro fundido, ele tende a oxidar. Por essa razão, nós pegamos uma lixa e lixamos a borda do disco – o que já está com 20 milímetros, que é a medida mínima deste aqui. Assim, vamos iniciar a troca da pastilha e, para tanto, basta seguir os passos. 

 

Bom, pessoal, agora faremos a desmontagem do sistema: retiramos a pastilha, o suporte e o disco de freio. Para o disco de freio, nós faremos uma análise do disco na bancada para verificar se está correta a aplicação neste carro aqui. Mais para frente falaremos sobre o porquê desta aplicação. Vamos lá? 

Passo 3: Primeiramente, isso é para todos os carros, a abertura do sangrador para retornar o êmbolo com o auxílio de uma mangueira, para não retornar o fluido no cilindro e módulo ABS. Com a mão mesmo, após abrir o sangrador, a gente pode retornar uma pequena abertura só para ficar fácil para a pastilha sair, ok? 

 

Passo 4: E, então, tiramos a mola e os dois pinos além de 7 milímetros.

 

Passo 5: Agora retiramos a pinça e as pastilhas. 

 Fazendo uma análise da pastilha, ela está incorreta para o ano do veículo.

Mais para frente, explicaremos sobre a aplicação de pastilha também, ok? Toda vez que retirarmos a pinça, teremos que colocá-la no suporte para não deixar o flexível tensionado – essa é a razão pela qual a deixamos pendurada. 

 Passo 6: Removeremos, agora, o suporte e, por final, vamos retirar os discos de freio.

 

Retirando o disco de freio, constatamos que há muita ferrugem no cubo de roda e isso é até normal - porque é uma peça que fica na parte externa. 

 

Constatamos também a existência de marcas de morsa no cubo de roda. 

 

Então, nós faremos a limpeza: lavaremos tudo, lixaremos o cubo de roda para que possamos fazer uma averiguação melhor do que é a marca de morsa no cubo. 

 

Passo 7: Dando continuidade ao processo de limpeza do cubo de roda com auxílio de uma lixa, para retirar a ferrugem. 

 

Depois de executada a limpeza da oxidação do cubo de roda, constatamos um novo problema. É muito provável que esse rolamento tenha sido trocado, pois existe marca de morsa por todo o perímetro. 

 

Passo 8: Essa marca pode prejudicar o assentamento do disco de freio, então, colocaremos o relógio comparador para ver se não está com problemas. Pela medição, o cubo deverá ser substituído. Mais um problema no carro por conta do reparador que não usou um mordente na morsa, o que danificou o cubo. 

 

Após realizar a desmontagem e a limpeza do sistema...

 

 

...encontramos algumas irregularidades. Mas o maior intuito desta matéria é mostrar a diferença do disco do Idea 1.6 16 válvulas Etorq para o disco do Idea 1.4 8 válvulas. Para isso, pegaremos uma embalagem da Fremax e podemos observar que são informadas as medidas do disco. 

 

O disco do Etorq tem 257 milímetros de diâmetro, 22 de espessura. Já o do Idea 1.4 com 8 válvulas tem os mesmos 257 milímetros de diâmetro, porém, possui 20 milímetros de espessura. 

 

Então, o que ocorre? No disco do Etorq, a medida mínima é 20 milímetros. Se eu aplicar o disco do 1.4 8 válvulas, estaremos aplicando um disco já na medida mínima. 

 

E o que isso pode acarretar no sistema de freio? Em casos extremos, pode haver um superaquecimento por causa de material. Como o carro 1.6 tem uma potência superior, ele vai gerar mais força e calor, e numa descida de serra ou em casos extremos, você pode perder o freio! 

 

Passo 9: Ao abrir as embalagens, é possível notar a diferença entre os dois discos. Do lado esquerdo, temos o disco do 1.6 16 válvulas Etorq e do outro, temos o do Idea 1.4 8 válvulas. Podemos notar que os diâmetros e as alturas parecem iguais.

 

Agora, mostremos algumas características do disco de freio do Idea 1.6 16 válvulas Etorq.

 

A espessura que mede 22 milímetros. Quantidade de aletas que existe no disco que, quanto maior, refrigera melhor o disco. E a altura no cubo do disco que é 1.5 menor, mais baixa do que a do 1.4. São características sutis que na aplicação, no funcionamento e na performance do carro fazem muita diferença. Então, é preciso estar atento aos pequenos detalhes para que o serviço do reparador seja de primeira. 

 

Então, pessoal, o intuito dessa matéria era mostrar a aplicação correta do disco de freio do Idea, mas na desmontagem encontramos uma outra aplicação incorreta no veículo – por falta até de informação. 

 

Essa pastilha é aplicada no Idea até 2008 porque ela usa um pistão de ferro. De 2009 em diante o pistão é de aço. 

 

E o que difere uma pastilha da outra? Os dimensionais são iguais, são idênticos, mas você consegue aferir a diferença dos grampos e isso ocorre porque o alojamento do pistão de aço é diferente do pistão de ferro.

 

E esse grampo é maior também – como podemos conferir aqui. Isso pode gerar ruídos no sistema de freios. 

 

Para identificar a diferença do pistão de aço para o de ferro fundido, uma característica que difere notavelmente é a de que: o pistão de aço tem um chanfre, enquanto o de ferro fundido é em paralelo. 

 

Há divergência, também, no grampo com relação à parte interna no alojamento. Onde fica localizado o grampo, certo? Do pistão de aço para o pistão de ferro fundido são bem diferentes. 

 

Hoje, pegamos o Idea como exemplo, mas isso pode ocorrer também em outros modelos da Fiat, de mesma aplicação. Então, fiquem ligados para aplicar o disco corretamente. Lembrando igualmente que em veículos de outras montadoras ocorre a mesma coisa. Discos semelhantes, mas com aplicações diferentes. Valeu! 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  • Facebook Social Icon
DESTAQUE NA REPARAÇÃO

Leia a versão digital de Dezembro da Revista Reparação Automotiva.

10/12/2019

1/3
Please reload

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Please reload