Como gerar satisfação mútua!

29/04/2019

 

 

Eis um tema complexo e controverso, afinal um bom Salário garante a satisfação? De quem? Até quando? Um dos maiores desafios do empresário é realmente definir um plano de carreira para sua equipe, que possa oportunizar bons salários, que motive e consiga direcioná-la para um maior comprometimento com a empresa, para assim conseguir alcançar seus objetivos e metas, mas o que é um bom salário? O que é o comprometimento esperado com a firma? Quais são os objetivos e metas da empresa?

 

Então, entendeu por que é complexo? Definir o Salário de um funcionário vai muito além do que avaliar sua competência e determinar um valor, exige reflexão, boa comunicação interna na empresa (com regimento interno, organograma, descrição de cargos, fluxogramas dos principais processos, feedback constante sobre desempenho do funcionário, orientação a respeito de objetivos e metas), clareza nas expectativas entre as partes (expectativa do funcionário sobre as oportunidades de crescimento para curto, médio e longo prazos e expectativas da empresa a respeito das atitudes, comportamentos, resultados e evolução esperada para curto, médio e longo prazos) e foco na Meritocracia.

 

Em um mundo altamente competitivo, não há mais espaço para vivermos de “Títulos”. A regra agora é “Resultados”. Um bom currículo não garante bons resultados, um exemplo que evidencia essa mudança é a estratégia utilizada por muitas empresas para evidenciar “O funcionário do Mês”. Só tem espaço para um e neste período você está na condição de funcionário destaque, porém se outros obtiverem melhores resultados no próximo você perde o “Trono”. Isso mesmo: você está na condição de destaque em resultados, você não é o destaque, por isso supere seus limites e continue avançando para acumular bons resultados que irão assim moldar sua estrutura profissional.

 

No dia a dia nas consultorias, é possível ver com frequência funcionários com bom potencial que estão estagnados, parados no tempo e desalinhados aos objetivos da empresa, criando confusão na equipe e insatisfeitos por falta do posicionamento claro da firma e um salário confortável. Outros saindo de empresas, pois não enxergam possibilidade de crescimento e futuro, devido à falta de estrutura de gestão de equipe, que possam oportunizar uma visão mais clara e, assim, se sentem desvalorizados.

 

É comum empresários utilizarem uma referência de mercado (concorrência ou parceiros) para avaliar se estão pagando bem o funcionário, importante ressaltar que o setor pode ser uma referência, mas não pode ser a única, pois talvez o nível de exigência de sua empresa quanto ao desempenho de sua equipe seja maior ou menor e essa variável é muito importante ser observada.

 

Na próxima edição, estaremos falando sobre os modelos de remuneração muito utilizados no mercado, Salário fixo, Salário misto (fixo + variável), Comissão individual e Comissão global e os resultados na prática.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  • Facebook Social Icon
DESTAQUE NA REPARAÇÃO

Leia a versão digital de Novembro da Revista Reparação Automotiva.

18/11/2019

1/3
Please reload

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Please reload