Monroe Axios ensina como fazer a substituição correta das bieletas

26/02/2019

 

 

 

Componente é responsável por garantir melhor dirigibilidade, estabilidade e conforto

 

As bieletas são hastes que ligam a barra estabilizadora à suspensão do veículo e, quando apresentam desgaste, exibem sinais como barulhos e instabilidade na direção. Por isso, realizar revisões periódicas, com a troca no momento certo, é fundamental para assegurar a dirigibilidade, o conforto e a estabilidade do veículo. Por isso, a Monroe Axios, empresa referência na fabricação de borrachas e componentes para suspensão, orienta os reparadores como fazer a troca correta do componente. 

 

Transmitindo movimentos compensatórios para a suspensão, as bieletas podem apresentar problemas facilmente identificados, como haste torta ou empenada, coifa rasgada e folgas nas fixações. A Monroe Axios recomenda realizar revisões periódicas no sistema, no máximo, a cada 10.000 quilômetros, ou quando notar sinais de desgaste, seguindo sempre as especificações do fabricante. A substituição imediata será necessária quando forem constatados defeitos na peça. 

 

 “Antes da instalação, o primeiro passo é averiguar qual a bieleta indicada para cada tipo de veículo, uma vez que a peça é desenvolvida de acordo com as características do carro e da suspensão. Elas podem parecer iguais, mas há diferenças no tamanho, no sistema de fixação e no ângulo de encaixe”, alerta Juliano Caretta, Supervisor de Treinamento Técnico da Tenneco.

 

Durante a montagem, recomenda-se girar o pino esférico para seus primeiros movimentos e lubrificação com graxa aditivada. Esse procedimento garante melhor utilização do equipamento logo nos primeiros minutos de uso, melhorando a sua movimentação. Em seguida, quando for encaixá-las na barra estabilizadora e no amortecedor, o reparador deve utilizar porcas autotravantes, ou aplicar a trava química (cola) nos filetes para assegurar a fixação das bieletas e evitar que elas não se soltem durante as trepidações da carroceria. 

 

Para travar o pino esférico, Caretta lembra que é importante utilizar ferramentas específicas. “O uso de equipamentos pneumáticos na montagem pode danificar o pino esférico e a coifa de proteção devido à velocidade excessiva de rotação e no torque de aperto”, orienta. 

 

Ao final do processo, é fundamental que o reparador observe os dois lados das bieletas ao fixa-las na barra estabilizadora. Em alguns modelos de veículos, a barra se movimenta lateralmente, podendo causar seu travamento. Nesse caso, será necessário trocar as bieletas, verificar todos os pontos de fixação da barra estabilizadora – especialmente a condição das buchas da barra – e o aperto dos suportes. 

 

“As bieletas Monroe Axios são produzidas com o mais alto nível de qualidade. O corpo da peça é feito em aço carbono com dureza controlada e solda automatizada, e o mancal é de nylon de alta durabilidade. Já o pino esférico tem acabamento com rugosidade controlada para garantir a melhor movimentação dentro do mancal”, afirma Caretta.

 

Mais informações sobre os produtos Monroe Axios podem ser consultadas por meio do serviço de relacionamento com o cliente no telefone 0800-166-004 ou através do site www.monroeaxios.com.br.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  • Facebook Social Icon
DESTAQUE NA REPARAÇÃO

Revista Reparação Automotiva Edição 140

29/05/2020

1/3
Please reload

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Please reload