Oportunidades de gerar, mais negócios na reparação no fim de ano

22/11/2018

 

 

Para esse período, empresários do setor apostam em várias ações para atrair clientes para as oficinas, de sorteios a viagens

 

 

Geralmente nos últimos dois meses do ano, aumenta o movimento nas oficinas por conta do período de férias. Alguns clientes buscam a manutenção corretiva, outros, a preventiva, a fim de garantir uma viagem tranquila e sem imprevistos. Mas nesse ano para alguns empresários da reparação automotiva o cenário tem sido diferente. Um termômetro é que para muitos deles, historicamente, setembro já se mostra um mês melhor, o que não ocorreu. 

 

Mas há uma expectativa de que os clientes estão postergando a revisão, aguardando a segunda parcela do 13º para essa finalidade. De imediato, os empresários já se preparam para ter em estoque itens de maior giro, investindo em ferramentas para atraírem o cliente para dentro de casa, principalmente pelas redes sociais, e até com a realização de promoções que vão além de descontos, como sorteio de viagens.  

“Hoje, 90% da nossa comunicação com os clientes é pelas redes sociais. O custo de um anúncio em TV, por exemplo, é bem superior ao investido simultaneamente em várias redes sociais, como o YouTube, Instagram e Facebook. Com um investimento de R$ 2 mil nessas redes eu chego onde eu quero”, diz Marcelo Leitão, proprietário da oficina Auto Total, em Recife (PE).

 

E com o benefício de atingir um público bem mais amplo do que os canais tradicionais, como rádio e TV. “As redes sociais são o melhor investimento para um negócio do nosso porte”, frisa. E uma aposta para melhorar o movimento na oficina. “Até agora, este ano foi pior que 2017. Há uma expectativa que melhore após as eleições e também por causa do recebimento do 13º salário”.

 

Ações - Para isso, Leitão já trabalha com algumas ações, o que ele chama de combo, como descontos e parcelamentos, que variam de acordo com os serviços executados. “Para uma revisão básica, parcelamos em quatro vezes e para serviços mais complexos, em até dez vezes, ambos têm desconto ou negociamos com o cliente uma forma que seja melhor para ele”.

 

Além de ampliar o estoque com itens de maior giro nesse período de fim de ano, ele negocia com os seus principais fornecedores uma forma de presentear o cliente. “Como por exemplo, faça uma troca de óleo e ganhe uma caixinha de ferramentas. E para este ano, vamos fazer um sorteio no Instagram na época de Natal, estamos pensando em uma viagem, ainda estamos definindo”. 

 

Formas que ele tem pensado para atrair o cliente para a oficina, principalmente para ele ficar com o seu carro em dia, sem que isso pese no seu bolso. E um gasto que pesa no início de ano é com material escolar. “Por isso, estamos estudando como dar um bônus em dinheiro para o cliente comprar o material escolar. Temos duas ou três livrarias na região que podem ser nossas parcerias nessa ideia”. 

 

Carro e viagem - Em Brasília (DF), a empresária Agda Oliver, da oficina Meu Mecânico, também tem investido em campanhas para atrair os clientes. “Desde a segunda quinzena de outubro, nós estamos com muitas promoções, como o sorteio de um carro zero quilômetro, a troca de óleo e o alinhamento grátis, ou faça a troca de óleo e ganhe um dia em um resort. E estamos com um estoque alto de óleo, investimos nisso para ganhar na compra”. 

 

A expectativa, segundo ela, é que realmente haja uma resposta do mercado. “Esperávamos um movimento maior na oficina, o que não ocorreu. Também foi um ano atípico, de eleições, greve de caminhoneiros, Copa do Mundo e a falta de chuvas não nos ajudou. E ainda a taxa de desemprego está alta, tudo isso impacta nos nossos negócios”. 

 

Com a definição das eleições, ela prevê outro cenário. “Independentemente de quem vença, no subconsciente das pessoas há uma crença de que tudo irá melhorar”. Mas por enquanto, Agda Oliver comenta que mesmo o principal perfil de clientes de sua oficina, os que têm veículos novos e fazem revisões, a procura tem sido pequena. “Eles estão vindo fazer somente o necessário”.

 

E para divulgar as ações, uma das grandes apostas é a propaganda em frente à oficina. “Estamos localizados entre duas avenidas, uma delas tem semáforo e o carro em frente à minha loja. Também apostamos bastante nas redes sociais, como o Instagram e o WhatsApp, pois todo mundo está ligado nele, e as pessoas estão 24 horas por dia conectadas nas redes sociais”. 

 

 

Antecipação - Na oficina de Sergio Marques de Deus, a Serv Car, em Embu das Artes (SP), o cenário não tem sido diferente. “Esse final de ano está atípico, o movimento está bem fraco. Creio que um dos motivos é que o brasileiro está endividado. Para nós o movimento começava acelerado a partir de setembro, passávamos até do horário do expediente”, recorda-se.

 

Isso ainda não aconteceu em sua oficina, mas há uma expectativa que haja uma similaridade com o que ocorreu no ano passado. “Em 2017, muitos deixaram para fazer a revisão em cima da hora. Aguardaram o recebimento da segunda parcela do 13º salário e o mês de dezembro foi uma loucura, o que também não é bom para nós”.

Para evitar que isso se repita, Marques tem feito uma série de ações, principalmente com o objetivo de os clientes agendarem as revisões. E as ferramentas utilizadas por ele são, principalmente, as redes sociais, como o Facebook, Instagram e WhatsApp. 

 

 

Agenda - Uma ação que o empresário Paulo Gilmar Boff, da Valência Centro Automotivo, em Porto Alegre (RS), chama de nivelar a agenda. “Conscientizando o cliente que ele precisa fazer a revisão antecipadamente para não deixar para a última hora”. E para isso, o cliente sabe exatamente quando ele precisa voltar, pois ele tem o plano de manutenção, a partir dos serviços executados em seu veículo e o que precisa ser feito após determinada quilometragem.

 

“Pode acontecer coisas inesperadas com o veículo, mas o plano de manutenção é uma programação e, se não tivermos isso, não temos controle do que foi feito no carro”. Também de forma organizada, o empresário se antecipa com os itens de maior giro no período de fim de ano. 

 

“Procuro ir estocando itens de maior giro, itens da curva A, e também agendar com os clientes antecipadamente para não haver tumultos e nem faltar profissionais para atendê-los, pois não adianta aumentar o número de funcionários, na correria não se acha a pessoa certa e nem depois haver uma ociosidade na oficina”. 

 

Para finalizar, ele fala sobre expectativas. “De maneira geral, o ano está sendo bom para nós, e olhando o cenário político, há uma esperança da população de que tudo vai melhorar, o que é positivo. De minha parte, eu tenho financiado meu cliente, facilitando a forma de pagamento para ele conseguir fazer o serviço”.  

 

Preventiva - Com foco na manutenção preventiva, Ataliba Raimundo Batista da Silva, da Ataliba Mecânica Técnica, de Manaus (AM), tem feito algumas promoções, divulgadas principalmente pelas redes sociais. “O objetivo é conscientizar as pessoas sobre a sua importância, para que o cliente não tenha surpresas”.

 

E na Ataliba, o movimento nesse ano foi muito bom. “Até agora, nós crescemos 30% e as expectativas para esse fim de ano são muito boas. Aqui na minha região, o mercado está bem aquecido na área automotiva. Acredito que neste comeremos um peru melhor que em 2017, ano que foi bem amargo”. 

Na sua região, ele conta que comumente muitas revisões no período de fim de ano eram feitas por proprietários de veículos que tinham como destino de férias a Venezuela. “Com a situação de crise desse país, não sei como será neste ano”, afirma, acrescentando que um termômetro positivo é a postergação da troca do carro. “As pessoas ainda estão postergando a troca dos veículos, muitos usados estão circulando, e achamos que o movimento aquecerá”. 

 

Revisão - Na ADL Bosch Car Service, localizada em Belo Horizonte (MG), Leonardo Santos Lemos, conta que no ano inteiro manutenção preventiva é o foco das ações voltadas para os clientes. “Tanto que hoje o carro-chefe da minha oficina é a revisão e poucos reparos grandes. Isso é fruto do nosso trabalho de conscientização dos clientes”. 

 

Segundo ele, o resultado é um serviço mais agradável e um cliente melhor na oficina. “Também pode acontecer de o veículo do cliente que faz as revisões corretamente apresentar outro problema, mas pelo andar da carruagem, revisão é precaução”. E mesmo com essa conscientização, Lemos comenta que é uma tendência o aumento do movimento na oficina no fim de ano. “Mesmo com essa conscientização, há os que nos procuram um dia antes de viajarem. E eu prefiro não fazer uma manutenção correndo e comprometer-me que o carro não irá parar na estrada. Mas notoriamente, em períodos que antecedem feriados prolongados e as férias escolares, o movimento aumenta bastante”.

 

Especificamente neste ano, ele diz que o movimento está atípico. “Já era para estar bem melhor. Talvez seja pelas eleições. Antes do primeiro turno também deu uma reduzida, acredito que passando esse segundo turno voltaremos à normalidade”. E ele está preparado para isso. 

 

“Temos em estoque itens de maior giro, itens básicos de revisão, o que agiliza o nosso serviço”. Mas pondera que não sabe o que espera para este fim de ano. “Agosto e setembro são meses que o movimento oscila muito, mas outubro geralmente é bom. Mas isso não está acontecendo. Está bem fraco”. 

 

Conscientização - Também na oficina de Francisco Severiano Alves (Chiquinho), a Mecânica Chiquinho, em Itaquaquecetuba (SP), há uma movimentação para conscientizar os clientes sobre a importância da manutenção preventiva. Mas por enquanto, ele diz que a principal tem sido a corretiva.

 

“As pessoas estão deixando de fazer a preventiva, procurando fazer somente o necessário, pois estão sem dinheiro, isso dá uma demanda grande de orçamentos, e nós trabalhamos de uma forma para que possamos atender os clientes, fazendo o que é preciso e necessário”. 

 

Especificamente para o fim de ano, Chiquinho conta que ações são feitas para trazer o cliente para a oficina e a expectativa é que seja melhor que em 2017. “Esperamos que se não for melhor, seja igual. Porém, nos últimos dois meses caiu bem o movimento. De qualquer forma, nós sempre mantemos estoque dos itens de maior giro, como pastilhas, óleo e filtros”. 

 

Divulgação - Walter Moura Júnior, da Mecânica Moura Imports, em Goiânia (GO), conta que uma mudança na sua oficina foi investir em marketing. “Antes, era praticamente zero, agora, fazemos painéis na rua e propaganda em rádio. O resultado tem sido muito bom”. Além de ações nas redes sociais, principalmente no Facebook e Instagram.

 

Para o fim de ano, o foco é oferecer um preço diferenciado aos clientes que já realizaram algum tipo de serviço na oficina. “Manutenção é primeira necessidade, o carro tem que estar seguro e em condições de circular. Ainda estamos ensinando o cliente a fazer a manutenção preventiva, geralmente, eles nos procuram quando o veículo quebra. Mas ele está percebendo que é mais barato investir em revisões preventivas do que corretivas”.

 

E todas essas ações são recentes. Apesar de 24 anos de mercado, eles iniciaram na parte de reparos mecânicos há pouco mais de um ano, já a empresa de funilaria é a mais antiga. “E são ações diferentes para as duas. Manutenção e revisões são mais frequentes, funilaria é feita quando há uma batida”, compara.

 

Para finalizar, Júnior diz que espera um fim de ano melhor. “Esse ano foi muito atípico, com Copa do Mundo e eleições. Depois vieram a greve dos caminhoneiros e o período pré-eleitoral que também atrapalharam bastante. E de forma menos acentuada a época chuvosa, que é um termômetro de oscilação para a manutenção. Mas eu espero que tudo acabe bem nesse fim de ano e que as pessoas comecem a se planejar melhor, pois o dinheiro está mais escasso”. 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  • Facebook Social Icon
DESTAQUE NA REPARAÇÃO

Leia a versão digital de Dezembro da Revista Reparação Automotiva.

10/12/2019

1/3
Please reload

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Please reload