Diagnóstico Chrysler, a importância de uma verificação eficiente

26/09/2018

 

 

Nesta edição, nós vamos falar sobre diagnóstico. É isso mesmo, parece simples, mas nem todo mundo faz corretamente. Um exemplo é um veículo que chegou à oficina com luz de avaria acesa e alguns picos de aquecimento em alta na estrada. Quem nos conta é Sandro dos Santos, da Doctor American Car, empresa especializada em veículos Chrysler, Dodge e Jeep, do bairro paulistano de Vila Maria, zona norte. 

 

Procedimento

O veículo chegou à oficina, de plataforma, com o cliente reclamando que ele na estrada, às vezes, aquecia. Ou seja, o ponteiro batia no vermelho e, às vezes, voltava ao normal, dava aquela oscilada. 

 

Outro fato: uma pequena falha de luz de avaria acesa. Então, vamos fazer um diagnóstico preciso para evitar o orçamento errado e, até mesmo, uma análise errada. Vamos ao diagnóstico? 

 

Passo 1: Conforme o cliente relatou, de fato, a luz de avaria está acesa, então, bate com o que ele falou. O veículo está falhando e agora, para ter um diagnóstico preciso, nós temos que ter um scanner.  No nosso caso, já estamos aqui com o aparelho conectado e, de fato, a luz de injeção de avarias está acesa. Para evitar um diagnóstico errado, não dá par se ter base somente com o código que está aparecendo: No caso, falha de ignição. O correto é remover a vela e refazer todos os processos, os quais nós vamos fazer juntos, assim evitamos desgaste desnecessário e também erro de diagnóstico. Você olha a vela, ou o bico, ou o supressor no orçamento e esquece o principal: se não afetou a junta do cabeçote. Certo? Vamos até o motor? ​

 

Passo 2: Bom, como vocês sabem, existem duas ferramentas para fazer o teste no motor que nós vamos dar pressão no sistema e identificar algum tipo de vazamento, vamos usar para introduzir o ar dentro do cilindro para medir a vazão. Então, vou mostrar como o diagnóstico tem que ser preciso e não se pode pular os seus processos numa situação como a desse veículo, para evitar aborrecimentos, até mesmo, com o seu cliente e ao bolso da oficina, porque se errar no diagnóstico, às vezes quem vai pagar a conta somos nós, do setor de reparação.

Agora, vamos tirar a tampa do setor de aferrecimento. Bom, não preciso falar que tem que estar frio, certo? Porque se estiver muito quente, pode ocorrer um acidente, queimadura de primeiro até terceiro grau. 

 

Passo 3: Vamos colocar, a ferramenta no local, aplicar ar numa bomba no sistema e simular o aquecimento, os sistemas, mangueira e todos os componentes, com carga máxima de ar. Aqui vai ser possível verificar se é uma mangueira estourada, cortada ou uma braçadeira solta, um selo de motor e até mesmo um radiador rompido. 

 

 

Aplicamos 15 PSI e olha já o primeiro cuidado que nós temos que ter, aparentemente, o ponteiro não está descendo de uma vez. Isso caracteriza, como todos sabem, quem é do mercado, que não tem nada estourado, não tem uma mangueira, não tem um vazamento de grande proporção. Então, é por isso que temos que tomar cuidado, como falei há pouco, com o diagnóstico. Você deve colocar essa ferramenta, olhar a falha que tem no scanner e já ver que não tem efeito de arrefecimento, porque aqui não está caracterizando, é natural sempre baixar um pouquinho porque está espalhando tudo. É natural. Mas ele está parado. Se nós olharmos o carro embaixo, está seco, sem pingar água. 

Nós colocamos o manômetro de pressão e vamos injetar no cilindro. O teste é feito cilindro por cilindro. Tire a vela para poder fazer este teste. Vamos injetar ar. O que falamos de não pular procedimentos e ter ferramentas é isso. Lembra que colocamos a bombinha e não vazou água em lugar nenhum? O sistema estava cheio de água, até em cima. Ele não vazou água, então a reclamação do cliente faz sentido. “Sandro, na cidade, o carro não aquece, fica perfeito. Se eu pegar a estrada, em alta velocidade, aí sinto alguns picos de variações. E aí, com o tempo, eu tenho que colocar um ou dois litros de água aqui. Mas se eu vou até a oficina e o rapaz faz o diagnóstico, como já foi feito algumas vezes. Ele não acha nada em referência ao motor”. 

 

Passo 4: Agora vamos apresentar para vocês uma ferramenta muito importante. Conforme foi mostrado pelo nosso diagnóstico com o scanner, era o cilindro número 1.

 

Então faremos o teste diretamente no cilindro número 1. Abrimos o ar, esse ponteiro tem que subir e esse  bater no verde. Se isso acontecer e não sair água no radiador, nenhum tipo de bolha, caracteriza que o sistema está ok, o sistema de arrefecimento. Significa que o sistema de arrefecimento está perfeito. Vamos lá! 

 

Passo 5: Vamos abrir o ar, a ferramenta está conectada no compressor e está entrando o ar no cilindro, tá subindo junto aqui. Automaticamente, o que vai acontecer com esse cilindro. 

 

Olha a água dentro do radiador! Galera, vocês veem que interessante? A bombinha não subiu a água, o cliente relata que na cidade ele roda o dia inteiro e olha isso daqui, se abrirmos mais... Incrível como carro andava nestas condições. 

 

A ferramenta acabou de provar para todos nós que a junta do cabeçote desse cilindro está queimada. Ou seja, ela tem uma fissura. Depois que concluímos o diagnóstico com as ferramentas necessárias, fizemos a remoção do cabeçote para a certificação do defeito da junta queimada. Vamos acompanhar? 

 

Passo 6: Cabeçotes removidos e aqui está o X da questão.

De fato, aquele cilindro está vazando muita água para fora porque veio a queimar a junta do cabeçote. E como vocês podem ver abaixo. 

 

Passo 7: Pela coloração do cilindro escuro. Isso aqui caracteriza água. Então fica uma dica: cuidado com o diagnóstico precoce. Não pule nenhuma etapa da análise, pois assim o pior pode ser evitado. 

Bom, outra situação: hoje se trata de um veículo V6, então o correto, não é porque é um cilindro só, um lado do cilindro só foi diagnosticado com defeito que você não vai fazer o outro. O aquecimento foi geral. É necessário a remoção dos dois cabeçotes e troca das juntas. 

Assim, você evita ter que fazer o orçamento, corrigir o defeito e semana que vem estourar o outro lado. Então, o prejuízo tá bem grande. Com isso, ficou uma dica, simples sobre o procedimento de cabeçote para essa questão. 

 

 

 

 Assista ao vídeo da matéria

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  • Facebook Social Icon
DESTAQUE NA REPARAÇÃO

Revista Reparação Automotiva Edição 141

29/05/2020

1/3
Please reload

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Please reload