SUSPENSÃO DO COBALT APRESENTA BARULHO MISTERIOSO NA DIANTEIRA

19/02/2018

Ruído começou a partir da troca de alguns componentes do modelo da GM

 

 

O empresário da reparação, Sérgio Hassimotto, do Caps Unidas, unidade Santo André (SP), nos conta um caso bastante interessante que aconteceu na sua oficina. Ele relata que uma cliente num belo dia levou seu veículo Chevrolet Cobalt para uma revisão de 50 mil quilômetros. “Erguemos o carro no elevador e vimos que entre outras coisas era necessário fazer a suspensão dianteira do veículo, com troca de kits, amortecedores e bieletas”.

 

Após o serviço realizado, inclusive com alinhamento e balanceamento, Sérgio disse que liberou o carro e a mulher seguiu para sua casa. Passada uma semana, a mesma voltou dizendo que seu veículo estaria com um barulho que não tinha antes. “Como é praxe por aqui, fizemos todos os testes e não encontramos nada que pudesse estar causando esse barulho. Chegamos a dar umas voltas com ela e o barulho não apareceu”.

 

Carro liberado novamente, alguns dias mais tarde e ela retornou à oficina. “Bem, isso começava a intrigar a nossa equipe... o que estaria acontecendo com o veículo da nossa cliente? Pedimos para que ela deixasse o carro na empresa durante todo o dia. Mais uma vez nossa equipe não encontrou nada, e nem sinal do tal barulho”, descreve o empresário.

 

Liberada, a cliente voltou dias depois com uma informação importante. “Eu reparei que esse barulho só aparece quando eu passo numa lombada no caminho da casa da minha mãe. Fomos com ela fazer o trajeto e realmente se tratava de uma lombada fora dos padrões, muito alta... e finalmente ouvimos o barulho e chegamos à conclusão de que se tratava da coifa raspando no amortecedor, simples assim”, explica Hassimotto. 

 

Mercado de reposição - Segundo o empresário, a coifa que é comercializada hoje em dia é de plástico, mais duro e rígido que a borracha. A gente fez o pedido da coifa original na concessionária, que é de borracha mais mole e resistente, e o barulho parou. Aliás, comunicamos o fornecedor sobre o acontecido. Hoje, para não ter problemas com carros da GM, compramos só batentes originais”, conclui. 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  • Facebook Social Icon
DESTAQUE NA REPARAÇÃO

Leia a versão digital de Novembro da Revista Reparação Automotiva.

18/11/2019

1/3
Please reload

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Please reload