CINCO SINAIS DE PROBLEMAS NO AMORTECEDOR

05/10/2017

 

 

Monroe fornece dicas aos motoristas para que fiquem atentos aos sinais de desgaste

 

O amortecedor é um componente diretamente ligado à segurança do veículo. Principal peça do sistema de suspensão, é ele o responsável por manter o contato permanente dos pneus com o solo, garantindo estabilidade ao automóvel e boa dirigibilidade ao motorista. Líder mundial no desenvolvimento e fabricação de amortecedores, a Monroe aponta cinco sinais que indicam que o item deve ser checado:

 

Falta de estabilidade

 

Amortecedores desgastados reduzem o nível de aderência do veículo ao solo, provocando falta de estabilidade e controle de direção. De acordo com o coordenador de Treinamento Técnico da Monroe, Juliano Caretta, essa condição é ainda mais grave em pisos molhados. “Nestes casos, a ineficiência do componente pode causar, inclusive, aquaplanagens, aumentando consideravelmente o risco de acidentes”.

 

Barulhos e solavancos

 

Ao perceber a presença de ruídos em excesso, como sons metálicos e rangidos, por exemplo, é importante que o motorista fique atento. “Esses são os barulhos mais comuns quando os amortecedores apresentam problemas de funcionamento”, afirma Caretta que acrescenta: “Solavancos e movimentação brusca dos componentes da suspensão também são sinais de que os amortecedores precisam ser avaliados e substituídos, se necessário”.

 

Balanços excessivos

 

Amortecedores gastos provocam movimentação excessiva da carroceria como agachamentos e empinamentos. “Esses movimentos ocorrem principalmente em lombadas, valetas, buracos e desníveis do pavimento. É importante que o condutor fique atento ao comportamento do veículo nessas situações, que exigem mais da suspensão, para evitar danos maiores futuramente”, alerta o especialista da Monroe.

 

Pneus pulando e danificados

 

Os amortecedores controlam os movimentos das molas, maximizando o contato dos pneus com o solo. Quando desgastados, o mau funcionamento das peças provocam intensos pulos dos pneus no pavimento, prejudicando a dirigibilidade e provocando deformações na banda de rodagem dos pneus. “Marcas na região central podem significar problemas nos amortecedores, especialmente desgastes localizados, e em formato de ‘concha’”, diz Juliano Caretta.

 

Aumento na distância de frenagem

 

Amortecedores com 50% de desgaste aumentam em até 1,80m a distância de frenagem em uma velocidade de 60 km/h. “Quanto maior a velocidade, maior também será a distância de parada do veículo, colocando em risco motoristas e passageiros. Por isso, é extremamente importante que o condutor realize as revisões preventivas ou procure uma oficina de confiança assim que perceber essa dificuldade na hora de frear” comenta o coordenador de Treinamento Técnico da Monroe.

 

A Monroe alerta que a vida útil do amortecedor é proporcional às condições de uso do veículo. A fabricante recomenda revisar preventivamente as condições dos amortecedores a cada 10.000 quilômetros, ou conforme a orientação da fabricante do veículo.

 

Sobre a Tenneco

 

A Tenneco fatura anualmente US$ 8,6 bilhões. Com sede em Lake Forest, Illinois (Estados Unidos), conta com cerca de 31 mil colaboradores em todo o mundo. A empresa é uma das maiores fabricantes e fornecedoras de sistemas de controle de emissões, de amortecedores e de componentes para a suspensão, para as montadoras e para o mercado de reposição. O grupo comercializa os seus produtos principalmente sob as marcas Monroe®, Walker®, Gillet® e Clevite® Elastomer.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  • Facebook Social Icon
DESTAQUE NA REPARAÇÃO

Leia a versão digital de Novembro da Revista Reparação Automotiva.

18/11/2019

1/3
Please reload

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Please reload