Esqueceram das velas, o defeito do Jetta beberrão

01/06/2017

 

O carro passou a ter um consumo de combustível absurdo

e a causa era bem simples: ainda usava as velas originais

 

Existem milagres que somente quem acredita no poder da manutenção preventiva consegue explicar. Este é um deles, e aconteceu na Oficina Torigoe, na zona Leste de São Paulo, de propriedade do engenheiro Sergio Torigoe. 

 

O veículo, um VW Jetta Variant 2.5 2012/2012, com apenas 60.000 km, chegou à oficina com alto consumo de combustível, não fazia mais do que 3 km/l com gasolina na cidade.

Torigoe conta que passou o scanner e não apresentou nenhuma falha. “Como o carro é relativamente novo e não tinha avaria, expliquei que não havia muito o que fazer, era preciso melhorar a qualidade da combustão interna” , afirma Torigoe.

 

Assim, o procedimento básico foi efetuar a troca de velas e filtro de ar. “O curioso nesse caso é que as velas não estavam ruins, mas ao removê-las percebi que eram velas comuns, e ainda originais de fábrica”, conta o reparador.

 

Para melhorar a combustão, Torigoe sugeriu a troca das velas comuns por velas de iridium, da mesma marca que estavam no carro. “Custam bem mais caro, mas produzem uma faísca mais forte”, explica. Vale lembrar que este modelo de Jetta tem cinco cilindros e, consequentemente, utiliza cinco velas.

Torigoe completou o serviço com limpeza do corpo de borboletas, como procedimento normal de uma manutenção preventiva.

 

Uma semana depois, o cliente voltou à oficina para agradecer. “Disse que o carro passou a fazer até 12 km/l na estrada, e média de 8 km/l na cidade”, comenta Torigoe. “Só achei estranho um carro dessa categoria sair de fábrica com velas convencionais”, diz o reparador, ao lembrar que a durabilidade das velas de iridium é bem superior e que, por um longo período, o veículo manterá essa performance.

 

Preventiva - Este caso exemplifica de forma concreta o quanto é importante o reparador insistir na manutenção preventiva junto aos seus clientes e também conhecer bem o funcionamento do veículo ao realizar qualquer troca de peças. 

Torigoe comenta que, se tivesse substituído as velas por outras iguais, provavelmente não teria obtido o mesmo resultado, e o cliente não teria ficado satisfeito. “Teria melhorado um pouco, mas nem tanto quanto foi relatado pelo cliente, que ficou muito feliz com o efeito da manutenção e, com certeza, trará outros serviços para a oficina”, afirma.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  • Facebook Social Icon
DESTAQUE NA REPARAÇÃO

Leia a versão digital de Novembro da Revista Reparação Automotiva.

18/11/2019

1/3
Please reload

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Please reload