QUALIDADE – Plástico empenado Ford Fiesta

27/03/2017

 

Componente do sistema de arrefecimento do Ford Fiesta não suporta as elevadas variações de temperatura e precisa ser substituído três vezes em um ano

 

Com apenas 78.400 km, o Ford Fiesta 2008/2009 1.6 8V já precisou trocar a mesma peça três vezes no período de um ano. Esta é uma situação muito ruim e constrangedora para os empresários da reparação automotiva, pois somos nós que estamos na linha de frente, no contato direto com o consumidor final. O transtorno deste tipo de retorno é grande, e o fabricante de autopeça precisa ser consciente e solidário com quem aplica o componente no carro.

 

No início do ano passado, o carro veio para a oficina com problema de vazamento de líquido de arrefecimento. Na época, tinha pouco mais de 71.000 km rodados. Após realizado diagnóstico, descobrimos que o cavalete da válvula termostática havia se rompido e precisava ser substituído.

 

Trocamos por uma peça de reposição comum. Como não se trata de um componente com elevado grau de tecnologia, optamos pela solução de menor custo para o cliente. Há no mercado de reposição peças com preços de R$ 50 a R$ 300, dependendo da marca.

 

O cavalete d’água deformado na região da junta

 

Usamos uma original, de qualidade referenciada, porém sete meses depois o cliente retornou à oficina com o mesmo problema. Não havia rodado nem 3.000 km e a peça apresentou defeito de vazamento. Analisamos o ocorrido e descobrimos que o componente deformou em volta do sensor.

 

O componente porém com vazamento na região do sensor

 

Fizemos a substituição sem custo para o cliente, apesar de o fabricante da peça oferecer apenas 90 dias de garantia. Por isso mesmo nem tentamos trocar o produto na loja de autopeças, pois sabíamos que a resposta seria não.

 

A peça em alumínio, mais resistente que o plástico, opção mais cara, mas que evita retorno por deformação

 

Instalamos uma peça do mesmo fabricante, por acreditar que aquele seria um caso isolado. Infelizmente estávamos errados. Dias atrás o carro voltou para a oficina, com o mesmo problema, porém dessa vez o vazamento ocorria pela parte da junta, e mais uma vez o plástico não suportou as elevadas variações de temperatura que a peça é exposta e deformou.

 

Como disse anteriormente, existem várias opções de peças no mercado de reposição. Uma delas é de alumínio ao invés de plástico. Custa um pouco mais caro, porém ainda é mais barata do que o componente genuíno, com a marca da montadora, que também é de plástico, muito provavelmente para reduzir peso e custo na linha de montagem.

 

Fica aqui nosso recado aos fabricantes: atenção para a qualidade dos produtos. Nem sempre preço é o que importa.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  • Facebook Social Icon
DESTAQUE NA REPARAÇÃO

Leia a versão digital de Novembro da Revista Reparação Automotiva.

18/11/2019

1/3
Please reload

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Please reload