Fiat Marea: Um dos carros mais polêmicos para os reparadores

Fiat Marea: Um dos carros mais polêmicos para os reparadores

chassi big data ZF
Chassi com “Big Data”: Novos modelos de negócios e mais transparência
1 de setembro de 2021
dica nakata
Indícios de fadiga ou quebra do coxim de motor
2 de setembro de 2021

Fiat Marea: Um dos carros mais polêmicos para os reparadores

Fiat marea reparação

Se existe um carro que mais gera debate entre os apaixonados por carro é o Fiat Marea. Muitos dizem que ele foi um veículo a frente do seu tempo, trazendo tecnologias que ainda não tinham sido desenvolvidas e outros dizem que era uma verdadeira bomba. A Revista Reparação Automotiva conta um pouco mais sobre a história desse polêmico veículo.

Idealização

O Fiat Marea surgiu na europa em 1997, sendo uma carroceria que também deu origem aos modelos Bravo e Brava. O objetivo da montadora italiana era substituir o já defasado Tempra e o o Croma.

Como diferencial ele apresentava um desempenho, conforto e uma lista de equipamentos superior aos modelos da sua categoria, porém o seu motor 2.0 20V decepcionava em baixas rotações, mesmo que nas altas apresentava um bom desempenho.

fiat brava
Desembarque no Brasil

No Brasil o modelo chegou em 1998, trazendo consigo uma variação sedã e perua Weekend com as versões ELX e HLX, trazendo consigo um motor cinco cilindros 2.0 20V de 142 cv e um torque máximo de 18,1 kgfm.

Poucos meses após chegar em território nacional, foi lançado um modelo de entrada SX, com o mesmo motor (porém sem o variador do comando e 127 cv de potência), e a esportiva Turbo com o propulsor 2.0 20V turbinado de 182 cv e torque máximo de 27 kgfm

Na versão Turbo, o Marea contava com freios específicos, suspensão mais firme e tomadas de ar no capô. Por dentro, painel de instrumentos com fundo branco e pedais esportivos. Com aceleração de 0 a 100 km/h em apenas 8,1 e velocidade máxima de 220 km/h, sendo um dos carros mais velozes da época.

marea weekend

Em 2000, a versão de entrada ganhava um motor 1.8 16V com os mesmos 127 cv, porém, com torque menor. Ainda neste mesmo ano, a Fiat resolveria o problema de falta de torque em baixa rotação do 2.0 20V e trazia da Itália o motor 2.4 20V de 160 cv e 21,1 kgfm. Pouco tempo depois o modelo 2.0 aspirado deixava de ser vendido.

No ano seguinte o modelo automático 4 marchas (o mesmo usado pelo Vectra da época), disponível apenas para a versão HLX e um redesenho na parte traseira, com lanternas vindas diretamente do italiano Lancia Lybra.

Marea sedã
A fama de ser uma “Bomba”

O Marea ganhou uma má fama no mercado de reposição e pós venda, sendo uma das maiores queixas a sua manutenção. Muitos consideram que boa parte do problema está na acessibilidade às peças, pois praticamente não há espaço sob o capô. Isso dificulta a reparação não apenas do próprio motor, mas também dos periféricos, além dos preços dos componentes serem elevados comparados com os seus concorrentes, pois suas peças eram importadas.

O seu motor de 5 cilindros é o maior divisor de águas entre os reparadores e fãs, ao mesmo tempo que era o principal diferencial do modelo é o maior responsável pelo alto custo de manutenção, sendo a troca da correia dentada um dos procedimentos mais trabalhosos ( é necessário desprender o motor dos coxins e deslocá-lo, junto com a caixa de marchas, até abrir espaço suficiente para manusear a correia e as polia).

Conclusão

O Fiat Marea é um modelo polêmico, onde todos os lados tem suas razões para defender a paixão e o ódio pelo carro. A sua mecânica complicada e alto valor nas peças de reposição ajudaram a desvalorizar o modelo, o que levou a uma grande desvalorização no mercado de revendas, ao mesmo tempo que gerou inúmeros fãs desse carro.

Apesar de toda a polêmica o Marea deixou de ser fabricado no Brasil em 2007, onde chegou a vender 54.799 unidades na versão sedã e 14.700 na Weekend.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *