ANEF aponta crescimento em recursos para aquisição de veículos no 1º trimestre

ANEF aponta crescimento em recursos para aquisição de veículos no 1º trimestre

ZM anuncia lançamentos de aplicações para as linhas de suspensão e direção
ZM anuncia lançamentos de aplicações para as linhas de suspensão e direção
21 de maio de 2021
Linha de lubrificantes Competition da Valvoline ganha nova identidade
Linha de lubrificantes Competition da Valvoline ganha nova identidade
24 de maio de 2021

ANEF aponta crescimento em recursos para aquisição de veículos no 1º trimestre

ANEF aponta crescimento de em recursos liberados para aquisição de veículos no 1º trimestre

A ANEF (Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras) acaba de divulgar o levantamento dos números alcançados pelas instituições financeiras do setor automotivo no primeiro trimestre de 2021. Nos três primeiros meses do ano, houve um crescimento de 11,5% no total acumulado de recursos liberados para financiamentos, totalizando R$ 42,8 bilhões, frente aos R$ 38,4 bilhões registrados até março de 2020, em um cenário anterior à crise decorrente da pandemia de COVID-19. Esses dados indicam uma importante manutenção no patamar de crescimento do mercado e, consequentemente, da economia brasileira, uma vez que os resultados positivos para o setor são observados de forma contínua desde 2017.

Isolado, o indicador de recursos liberados para a modalidade de crédito CDC registrou alta de 34,4% em comparação ao mesmo mês do ano passado. O saldo total das carteiras para veículos também registrou um aumento significativo no primeiro trimestre, somando R$ 293,4 bilhões, número que representa um crescimento de 9,8% no acumulado dos últimos doze meses. O leasing, que teve perdas significativas em representatividade nos últimos anos, registrou recuo de 24,3% no trimestre, com R$ 2,7 bilhões no saldo das carteiras.

Para o presidente da ANEF, Paulo Noman, as projeções positivas para 2021 se confirmaram no primeiro trimestre, mas o cenário ainda requer cautela. “Além do agravamento da pandemia, há muitas variáveis agindo sobre a cadeia produtiva do setor, bem como a conjuntura nacional. Vamos continuar acompanhando de forma atenta o comportamento da indústria, mas os indicadores são favoráveis. Os resultados mostram que o total de recursos liberados voltou a atingir níveis pré-pandemia e o saldo das carteiras mantém ritmo de alta”, avalia o executivo.

Historicamente estável, o pagamento à vista na categoria de caminhões e ônibus sofreu variação de 10 pontos percentuais no primeiro trimestre, atingindo 29% das vendas no Brasil, frente aos 19% no fechamento de 2020. As demais modalidades mantiveram os níveis observados nos últimos cinco anos; para veículos e comerciais leves, a média tem permanecido na casa dos 45% e, no caso das motocicletas, em torno de 30%.

As taxas de juros dos financiamentos já indicam movimento de alta a partir de março, mesmo mês em que a Selic sofreu sua primeira elevação em sete meses, passando da mínima histórica 2% ao ano para 2,75%. “No cenário de alta da taxa básica de juros, os bancos de montadora possuem um papel ainda mais estratégico, criando soluções cada vez mais eficazes, que contribuam tanto para o escoamento da produção quanto para os clientes. Nossas projeções se confirmaram no primeiro trimestre e seguimos confiando no potencial do mercado automotivo brasileiro”, completa Noman.

Com planos máximos mantidos em 60 meses, o prazo médio das concessões de crédito, ou seja, o período desde a contratação até o vencimento da última prestação, confirma previsão, tendo subido para média de 45,7 meses em março deste ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *