Aluguel de carros em São Paulo retoma patamar "pré-pandemia"

Aluguel de carros em São Paulo retoma patamar “pré-pandemia”

Conheça a história do Macaco Hidráulico
Conheça a história do Macaco Hidráulico
19 de maio de 2021
Palhetas Valeo ganham embalagens ecológicas
Palhetas Valeo ganham embalagens ecológicas
20 de maio de 2021

Aluguel de carros em São Paulo retoma patamar “pré-pandemia”

Aluguel de carros em São Paulo retoma patamar "pré-pandemia"
Apesar do aumento do ICMS e do IPVA para locadoras, a demanda por veículos alugados registra recuperação e retoma indicadores do início de 2020

Em São Paulo, as 2.222 locadoras existentes adquiriram pouco menos de 28 mil veículos no ano passado, finalizando 2020 com uma frota total de 104 mil automóveis e comerciais leves emplacados no estado. Conforme a Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis (ABLA), mesmo com as compras em 2021 prejudicadas pela falta de produtos provocada pela crise na cadeia produtiva das montadoras, o setor já retomou os patamares da “pré-pandemia”. 

O diretor da ABLA no estado, Daniel Huss, diz que o mercado em São Paulo já está com viés positivo. “A demanda está aquecida e demonstra recuperação em relação ao primeiro semestre do ano passado”, avalia. “As pessoas estão utilizando mais transporte individual por conta da pandemia e isso também estimula o aluguel de veículos”. 

O setor trabalha com a previsão de alta ainda maior no segundo semestre, deixando para trás a fase de retração vivida no ano passado. Segundo Huss, com a flexibilização das medidas restritivas, as locadoras estão se ajustando para ampliar os negócios. “Os carros por assinatura cresceram e as empresas voltaram a nos procurar, compensando até as diminuições das locações para motoristas de aplicativos. As vendas de usados também estão aquecidas desde o final do ano passado favorecendo a desmobilização”. 

Por outro lado, a recuperação da demanda é acompanhada da preocupação com o atraso na entrega de novos carros e o aumento dos preços. “A renovação da nossa frota está prejudicada pelo aumento em torno de 25% a 40% nos preços dos carros novos”, afirma o diretor da ABLA. “Esse custo tem de ser repassado para as nossas tarifas, porém nem sempre isso é possível de ser feito, sob o risco de perdermos os clientes”. 

Daniel Huss lembra ainda a alta do IPVA para as locadoras, que pagavam sobre a alíquota de 2% e que, este ano, passaram a recolher 4% do valor da frota, “além das taxas do Detran e o ICMS, que também subiram”. A ABLA obteve liminar para manter, ao menos para o ano de 2021, o desconto na alíquota do IPVA para a frota total das locadoras no estado. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *