Perfil Técnico do Jeep Renegade Diesel Multijet II – Perfil Carro

Perfil Técnico do Jeep Renegade Diesel Multijet II

Ceo da Frasle e COO da Randon Autopeças, Sérgio Carvalho. FOTO: Jefferson Bernardes/ Agência Preview
CEO da Fras-le é painelista no 2º Encontro da Indústria de Autopeças
1 de abril de 2021
Foton Motor alcança 10 milhões de unidades vendidas e lança novo caminhão pesado
Foton Motor alcança 10 milhões de unidades vendidas e lança novo caminhão pesado
5 de abril de 2021

Perfil Técnico do Jeep Renegade Diesel Multijet II

Perfil Técnico do Jeep Renegade Diesel Multijet II

Sistema common rail Bosch, bicos injetores de fácil acesso, mas exigem conhecimento técnico para realizar a manutenção do sistema

Lançado no Brasil em março de 2015, o Jeep Renegade, é um dos veículos de sucesso do do Grupo Stellantis. Na época que chegou ao mercado, inaugurou o complexo industrial do então Grupo FCA em Goiana (PE). O modelo trouxe de volta a produção dos veículos Jeep, uma marca guardada na memória dos brasileiros como símbolo de robustez, fora de estrada, e logo passou a figurar entre os SUVs mais comercializados no mercado nacional.

São quatro versões do Jeep Renegade com motorização Flex e três com motor diesel. A Trailwalk,  topo de linha é igual a mostrada neste Perfil Técnico. 

Ele utiliza o motor turbo diesel Multijet II. Com quatro cilindros em linha, sua cilindrada é de 1.956 cm³. Entrega potência de 170 cv a 3.750 rpm e o torque máximo de 35,7 kgfm a 1.750 rpm. O motor está acoplado ao câmbio automático ZF948TE de 9 marchas.  

Motor Diesel Multijet
Motor Diesel Multijet

Diretor da Doctor American Car, oficina reparadora especializada em modelos Chrysler, Jeep e RAM, localizada na Vila Maria (SP), Sandro Santos, fala sobre as condições de reparabilidade do veículo. “É importante o reparador ter o scanner apropriado e atualizado para fazer o diagnóstico de todos os sistemas eletrônicos e verificar os códigos de falhas. Uma vantagem que o motor diesel oferece é a facilidade de acesso aos bicos injetores, porém, é necessário conhecimento técnico e as ferramentas. O sistema common rail é da Bosch com injeção direta e alta pressão. A pressão estimada no sistema de injeção de combustível é de 1.600 bar”, comenta Sandro.

Flauta e bicos injetores com fácil acesso
Flauta e bicos injetores com fácil acesso
Bomba de injeção com altíssima pressão
Bomba de injeção com altíssima pressão

O motor diesel Multijet II utiliza correia dentada. “Para realizar a troca da correia dentada e a bomba de água é necessário retirar a caixa do filtro do ar e utilizar o kit de ferramentas específicas para este fim. Outro item de fácil acesso é o sensor de oxigênio superior, não é necessário levantar o veículo no elevador para trocá-lo. Também é importante ressaltar que para realizar a manutenção em motores diesel o conhecimento técnico é fundamental, pois é um pouco diferente dos motores a gasolina e flex. A bomba injetora, por exemplo, é diferente, caríssima e um erro pode ser fatal”, alerta Sandro.

Também é necessário cuidado ao trocar o filtro de ar. “Há uma trava que deve ser manuseada com cuidado. Ao lado da caixa há um sensor, por isso o trabalho deve ser feito com cuidado para não danificar estas partes”.

Caixa do filtro de ar
Caixa do filtro de ar

Ainda na parte superior do motor o acesso ao reservatório do fluído de freio é fácil, o mesmo ocorre com o reservatório do fluido de arrefecimento. 

Reservatório do fluído de freio
Reservatório do fluído de freio
Reservatório de expansão
Reservatório de expansão

Já para substituir o filtro do óleo é necessário levantar o Jeep no elevador. Para realizar o serviço deve ser retirado o protetor de cárter. “Como se trata de um veículo para todo terreno, o protetor de cárter é feito com material rígido e pesado. É preciso que duas pessoas retirem o componente, ainda são vários os parafusos de fixação é um trabalho demorado. E outro item de difícil acesso é o resfriador, ambos exigem tempo para retirar e colocar”, alerta Sandro.

O acesso ao filtro do óleo exige tempo. “O filtro do óleo do tipo ecológico está na lateral do motor, na mesma direção da roda direita, também é trabalhoso substituí-lo”.

Filtro do óleo ecológico
Filtro do óleo ecológico

A suspensão dianteira é independente tipo McPherson, com braços oscilantes inferiores, geometria triangular e barra estabilizadora. Na traseira o sistema também é McPherson com rodas independentes, multibraço e barra estabilizadora. “É um sistema de fácil manutenção, já conhecido nas oficinas reparadoras. As bandejas dianteiras e traseiras têm os pivôs separados, com parafusos simples de retirar, as buchas também são simples. Os amortecedores e molas tanto os dianteiros como os traseiros não oferecem dificuldades. Todos estes itens são substituídos com ferramentas de uso comum na oficina. O reparador só precisa ficar atento ao adquirir as peças, pois há várias versões do Jeep Renegade com motor diesel e flex no mercado e a calibração das suspensões são diferentes. Na parte traseira, inclusive para trocar os braços na há dificuldades.” avalia.

Amortecedor, mola e bieleta de plástico
Amortecedor, mola e bieleta de plástico
Bandeja com o pivô separado
Bandeja com o pivô separado

O sistema de freio do modelo da Stellantis utiliza discos ventilados com pastilhas na dianteira e discos sólidos e pastilhas na traseira. “Na dianteira para soltar o cavalete o reparador utiliza uma chave torx, as pastilhas são retiradas com chave estrela, os flexíveis são fáceis de acessar. Já na parte traseira o freio de estacionamento é eletrônico, assim exige o scanner para abrir as pinças, antes de trocar as pastilhas”, analisa Sandro Santos.

Motor de acionamento do freio de estacionamento eletrônico
Motor de acionamento do freio de estacionamento eletrônico

O Jeep Renegade Trailhawk Diesel tem a tração 4×4, o modelo é preparado para todo terreno. O consumo de combustível divulgado pela Stellantis é de 9,6 km/L na cidade e 11,4 km/L na estrada e o preço sugerido é de R$ 174.161.

Ficha Técnica Jeep Renegade Trailhawk 2.0 Diesel AT9 4×4

Motor: Multijet II 2.0L Turbo
Disposição: Dianteiro transversal
Número de cilindros: 4 em linha
Número de válvulas: 16
Cilindrada: 1.956 cm³
Taxa de compressão: 16,5:1
Potência: 170 cv a 3.750 rpm
Torque: 35,7 a 1.750 rpm
Alimentação: Injeção direta
Câmbio: ZF 948TE Automático, 9 marchas
Tração: 4WD
Direção: Eletro assistida

Suspensão
Dianteira: Independente McPherson
Traseira: Independente McPherson multibraço
Tração: 4×4
Direção: Eletro assistida

Freios
Dianteiro: Disco ventilado
Traseiro: Disco sólido
Pneus: 215/60 R17
Rodas: Liga leve 17”

Peso do veículo
Em ordem de marcha: 1.674 kg
Capacidade de carga: 400 kg

Dimensões / Capacidades:
Comprimento: 4.232 mm
Largura: 1.805 mm
Altura: 1.714 mm
Entre-eixos: 2.570 mm
Altura livre do solo entre os eixos: 216 mm
Ângulo de ataque: 30°
Ângulo de saída: 33°
Ângulo de rampa: 22°
Porta-malas: 273 litros
Tanque de combustível: 60 litros

Assista o vídeo deste Perfil Técnico no Canal TV Reparação Automotiva no Youtube

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *