fbpx
Perfil Técnico do Jeep Renegade Diesel Multijet II

Avaliação Técnica do Jeep Renegade Diesel Multijet II

A Revista Reparação Automotiva faz avaliação técnica do Jeep Renegade Diesel Multijet II, o veículo exige conhecimento técnico para realizar a manutenção do sistema

Lançado no Brasil em março de 2015, o Jeep Renegade, é um dos veículos de sucesso do do Grupo Stellantis. Na época que chegou ao mercado, inaugurou o complexo industrial do então Grupo FCA em Goiana (PE). O modelo trouxe de volta a produção dos veículos Jeep, uma marca guardada na memória dos brasileiros como símbolo de robustez, fora de estrada, e logo passou a figurar entre os SUVs mais comercializados no mercado nacional.

São quatro versões do Jeep Renegade com motorização Flex e três com motor diesel. A Trailwalk,  topo de linha é igual a mostrada neste Perfil Técnico. 

Ele utiliza o motor turbo diesel Multijet II. Com quatro cilindros em linha, sua cilindrada é de 1.956 cm³. Entrega potência de 170 cv a 3.750 rpm e o torque máximo de 35,7 kgfm a 1.750 rpm. O motor está acoplado ao câmbio automático ZF948TE de 9 marchas.  

Motor Diesel Multijet
Motor Diesel Multijet

Diretor da Doctor American Car, oficina reparadora especializada em modelos Chrysler, Jeep e RAM, localizada na Vila Maria (SP), Sandro Santos, fala sobre as condições de reparabilidade do veículo. “É importante o reparador ter o scanner apropriado e atualizado para fazer o diagnóstico de todos os sistemas eletrônicos e verificar os códigos de falhas. Uma vantagem que o motor diesel oferece é a facilidade de acesso aos bicos injetores, porém, é necessário conhecimento técnico e as ferramentas. O sistema common rail é da Bosch com injeção direta e alta pressão. A pressão estimada no sistema de injeção de combustível é de 1.600 bar”, comenta Sandro.

Flauta e bicos injetores com fácil acesso
Flauta e bicos injetores com fácil acesso
Bomba de injeção com altíssima pressão
Bomba de injeção com altíssima pressão

O motor diesel Multijet II utiliza correia dentada. “Para realizar a troca da correia dentada e a bomba de água é necessário retirar a caixa do filtro do ar e utilizar o kit de ferramentas específicas para este fim. Outro item de fácil acesso é o sensor de oxigênio superior, não é necessário levantar o veículo no elevador para trocá-lo. Também é importante ressaltar que para realizar a manutenção em motores diesel o conhecimento técnico é fundamental, pois é um pouco diferente dos motores a gasolina e flex. A bomba injetora, por exemplo, é diferente, caríssima e um erro pode ser fatal”, alerta Sandro.

Também é necessário cuidado ao trocar o filtro de ar. “Há uma trava que deve ser manuseada com cuidado. Ao lado da caixa há um sensor, por isso o trabalho deve ser feito com cuidado para não danificar estas partes”.

Caixa do filtro de ar
Caixa do filtro de ar

Ainda na parte superior do motor o acesso ao reservatório do fluído de freio é fácil, o mesmo ocorre com o reservatório do fluido de arrefecimento. 

Reservatório do fluído de freio
Reservatório do fluído de freio
Reservatório de expansão
Reservatório de expansão

Já para substituir o filtro do óleo é necessário levantar o Jeep no elevador. Para realizar o serviço deve ser retirado o protetor de cárter. “Como se trata de um veículo para todo terreno, o protetor de cárter é feito com material rígido e pesado. É preciso que duas pessoas retirem o componente, ainda são vários os parafusos de fixação é um trabalho demorado. E outro item de difícil acesso é o resfriador, ambos exigem tempo para retirar e colocar”, alerta Sandro.

O acesso ao filtro do óleo exige tempo. “O filtro do óleo do tipo ecológico está na lateral do motor, na mesma direção da roda direita, também é trabalhoso substituí-lo”.

Filtro do óleo ecológico
Filtro do óleo ecológico

A suspensão dianteira é independente tipo McPherson, com braços oscilantes inferiores, geometria triangular e barra estabilizadora. Na traseira o sistema também é McPherson com rodas independentes, multibraço e barra estabilizadora. “É um sistema de fácil manutenção, já conhecido nas oficinas reparadoras. As bandejas dianteiras e traseiras têm os pivôs separados, com parafusos simples de retirar, as buchas também são simples. Os amortecedores e molas tanto os dianteiros como os traseiros não oferecem dificuldades. Todos estes itens são substituídos com ferramentas de uso comum na oficina. O reparador só precisa ficar atento ao adquirir as peças, pois há várias versões do Jeep Renegade com motor diesel e flex no mercado e a calibração das suspensões são diferentes. Na parte traseira, inclusive para trocar os braços na há dificuldades.” avalia.

Amortecedor, mola e bieleta de plástico
Amortecedor, mola e bieleta de plástico
Bandeja com o pivô separado
Bandeja com o pivô separado

O sistema de freio do modelo da Stellantis utiliza discos ventilados com pastilhas na dianteira e discos sólidos e pastilhas na traseira. “Na dianteira para soltar o cavalete o reparador utiliza uma chave torx, as pastilhas são retiradas com chave estrela, os flexíveis são fáceis de acessar. Já na parte traseira o freio de estacionamento é eletrônico, assim exige o scanner para abrir as pinças, antes de trocar as pastilhas”, analisa Sandro Santos.

Motor de acionamento do freio de estacionamento eletrônico
Motor de acionamento do freio de estacionamento eletrônico

O Jeep Renegade Trailhawk Diesel tem a tração 4×4, o modelo é preparado para todo terreno. O consumo de combustível divulgado pela Stellantis é de 9,6 km/L na cidade e 11,4 km/L na estrada e o preço sugerido é de R$ 174.161.

Ficha Técnica Jeep Renegade Trailhawk 2.0 Diesel AT9 4×4

Motor: Multijet II 2.0L Turbo
Disposição: Dianteiro transversal
Número de cilindros: 4 em linha
Número de válvulas: 16
Cilindrada: 1.956 cm³
Taxa de compressão: 16,5:1
Potência: 170 cv a 3.750 rpm
Torque: 35,7 a 1.750 rpm
Alimentação: Injeção direta
Câmbio: ZF 948TE Automático, 9 marchas
Tração: 4WD
Direção: Eletro assistida

Suspensão
Dianteira: Independente McPherson
Traseira: Independente McPherson multibraço
Tração: 4×4
Direção: Eletro assistida

Freios
Dianteiro: Disco ventilado
Traseiro: Disco sólido
Pneus: 215/60 R17
Rodas: Liga leve 17”

Peso do veículo
Em ordem de marcha: 1.674 kg
Capacidade de carga: 400 kg

Dimensões / Capacidades:
Comprimento: 4.232 mm
Largura: 1.805 mm
Altura: 1.714 mm
Entre-eixos: 2.570 mm
Altura livre do solo entre os eixos: 216 mm
Ângulo de ataque: 30°
Ângulo de saída: 33°
Ângulo de rampa: 22°
Porta-malas: 273 litros
Tanque de combustível: 60 litros

Assista o vídeo deste Perfil Técnico no Canal TV Reparação Automotiva no Youtube

Baixe os catálogos dos fabricantes apoiadores da Revista Reparação Automotiva

Ouça o Podcast da Revista Reparação Automotiva

Acesse a banca digital da Revista Reparação Automotiva

Inscreva-se no Canal TV Reparação Automotiva no Youtube

Siga a Revista Reparação Automotiva no Linked In

Siga a Revista Reparação Automotiva no Instagram

Siga a Revista Reparação Automotiva no Facebook

Leia o conteúdo técnico da Revista Reparação Automotiva

Veja mais notícias do mercado automotivo

Leia nossa seção sobre veículos híbridos e elétricos

Leia nossa seção Reparação Pesados e Utiliários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.