Consolidação da transmissão automática e direção eletroassistida

Consolidação da transmissão automática e direção eletroassistida

Equipamentos comuns em modelos importados, a transmissão automática e direção eletroassistida passaram a ser item de série em muitos modelos fabricados no País. Em 2020 isso ficou ainda mais evidente onde dos 40 modelos mais vendidos na categoria de SUVs em 2020, 100% deles possuem versões com transmissão automáticas. Alguns inclusive, sequer possuem versões com trocas de marchas manuais, como no caso do VW Nivus e Jeep Compass. Desse ranking, apenas a Toyota SW4 e o Mitsubishi Pajero ainda utilizam sistema de direção assistida hidraulicamente. O segmento de SUVs inclusive foi responsável por 34% das vendas no acumulado de janeiro a outubro desse ano, a frente do segmento que há pouco dominava o mercado o de veículos compactos.

O que mais chama atenção, é que diferentemente de itens obrigatórios como os dispositivos de segurança, ABS, Airbag e controle de estabilidade, a transmissão automática e a direção elétrica são elementos mais ligados ao conforto e comodidade, e claro contribuem para a melhoria da dirigibilidade e maior eficiência do conjunto mecânico, mas o transito das grandes cidades está contribuindo para a popularização desses itens.

Fazendo uma análise mais abrangente, a linha Ford, por exemplo, em seu line-up 2020/2021, todos os modelos, sem exceção, possuem ao menos uma versão que combina a transmissão automática e sistema de direção eletroassistida. A linha Chevrolet segue o mesmo caminho onde dos atuais treze modelos comercializados como zero-quilomêtro, apenas três (Joy, Joy Plus e Montana) não oferecem essa combinação, o que representa 23% do total de modelos da Marca. VW e FIAT, por possuírem modelos de gerações antigas ficaram para trás nesse quesito. A Montadora alemã tem 50% do seu portfólio com modelos equipados com transmissão automática/dupla embreagem e direção eletroassistida. Os outros 50% representam modelos de geração anteriores como Gol, Saveiro, Voyage, up!, Fox e Amarok, dos quais apenas a picape grande deve se manter no portfólio da empresa nos próximos anos. A FIAT, que nos últimos anos concentrou esforços na consolidação dos produtos FCA, ficou na lanterna das quatro grandes fabricantes com apenas 33% dos modelos oferecendo versões com transmissão automática e direção elétrica (Argo, Cronos e Toro), o que deve mudar a partir de 2021 com a chegada do novo câmbio CVT que irá equipar a nova Strada e os novos modelos de SUV derivados do Argo e da Toro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *