Você não precisa de mais reparadores. Precisa ser mais produtivo!

Você não precisa de mais reparadores. Precisa ser mais produtivo!

Por Alexandre Costa*

Sim, você acabou de ler o título dessa coluna, e com certeza chamou sua atenção, afinal você começou a ler esse artigo. Mas não fiz isso com a intenção de ter uma mensagem chamativa para meu texto. Na verdade, a ideia foi passar o recado já no início do conteúdo! E acredito que fui bem-sucedido nisso! E agora que tenho sua atenção, posso desenvolver minha argumentação.

Bem, quando iniciamos uma oficina precisamos montar um quadro de pessoas que possuam conhecimento técnico e habilidades específicas para realizar a atividade fim da empresa que é a manutenção e reparo de veículos. Esses indivíduos assumem a função de mecânicos ou de produtivos, como prefiro chamar. Sua capacidade de converter horas trabalhadas em receita é que sustenta o negócio.

Ocorre que em pouquíssimos casos, e digo poucos mesmos, o gestor da oficina faz um dimensionamento do número de reparadores necessários para atender a demanda dos veículos que chegam. Na maioria das vezes isso é feito na base da estimativa. E, se sentir que a demanda aumentou, simplesmente se contrata mais um reparador. Se a

demanda cair, demite-se! Simples assim!

Essa atitude tão enraizada em nossa cultura do segmento de reparação agora está se mostrando limitada, e por que não dizer, ultrapassada. E foi justamente a crise trazida pela pandemia mundial que revelou isso, afinal mostrou como as empresas estavam inchadas, com funcionários em excesso, e obsolescência de sobra! Essas empresas com “gordura” em seus quadros estavam contratando. Não porque o faturamento justificava, mas sim pela incapacidade de perceber que a entrada de um novo profissional servia para cobrir a ineficiência de outro que produz pouco, e mesmo assim permanece na empresa. Mas quando a demanda caiu, percebeu-se o peso que ele tem no quadro de funcionários.

Então, caro empresário, antes de contratar avalie se sua equipe não pode render mais, verifique se os recursos disponíveis estão sendo explorados ao máximo e se a demanda justifica a aquisição de mais mão de obra. Se todos esses requisitos forem atendidos, e não apenas um, aí sim se justifica uma contratação. Caso contrário mantenha sua equipe!

E, para aqueles que acreditam que sou contra o emprego, posso afirmar categoricamente que não! Muito pelo contrário! Sou a favor de empresas enxutas e produtivas que por conta disso conseguem passar pelas mais diversas adversidades sem precisar desligar alguém da equipe. Pense nisso!!!

*ALEXANDRE COSTA

Consultor sênior especializado em inovação para o setor automotiva, com 25 anos de experiência. Palestrante convidado a participar dos principais eventos do setor em todo o País. Diretor da ALPHA Consultoria, empresa de consultoria dedicada ao setor automotivo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *