Sindirepa-SP destaca ações e iniciativas voltadas à gestão das oficinas independentes

Sindirepa-SP destaca ações e iniciativas voltadas à gestão das oficinas independentes

Rota 45, NR12, TAC (Termo de Ajuste de Conduta) – OLUC (Óleo Lubrificante Usado ou Contaminado) e Redes Sociais são alguns dos assuntos em pauta para 2020.

O Sindirepa-SP, Sindicato da Indústria de Reparação de Veículos e Acessórios do Estado de São Paulo, realizou, no dia 11 de dezembro, reunião plenária de diretoria para debater assuntos de interesse do setor, como o Rota 45, NR12, TAC (Termo de Ajuste de Conduta) – OLUC (Óleo Lubrificante Usado ou Contaminado) e o projeto de redes sociais, que estarão em pauta também em 2020. “Este ano foi difícil, mas tenho esperança que a economia será melhor em 2020, com maior tíquete médio e novos negócios”, afirmou Antonio Fiola, presidente do Sindirepa-SP e Nacional, lembrando também de algumas vitórias conquistadas em 2019 como a nomeação para o Conselho da FIESP e a mudança da sede da entidade para o prédio da federação da indústria. Elogiou também o time de diretores que compõe a sua nova diretoria. “Temos um comando primoroso de um conjunto de empresas vencedoras”, comentou.

Capacitação em foco – Luiz Sérgio Alvarenga, Relações Institucionais e Governamentais, falou sobre o programa Rota 45, referência aos CNAE (Cadastro Nacional de Atividade Econômica) 45, que visa promover capacitação, certificação e qualificação de varejos e oficinas independentes, iniciativa que envolve o Sindirepa-SP, Sincopeças-SP, IQA e Sebrae-SP. A proposta tem como objetivo promover conhecimento aos profissionais das empresas. “Envolvemos o IQA e o Sebrae-SP, pois possuem credibilidade. Assim, sensibilizamos a indústria a se aproximar das empresas menores via certificação, bem como conseguimos passar confiabilidade para os consumidores”, explicou.

Reciclagem de óleo lubrificante – Sobre o TAC (Termo de Ajuste de Conduta) – OLUC (Óleo Lubrificante Usado ou Contaminado), Antonio Gaspar, presidente da Câmara Setorial Diesel, ressaltou que as oficinas precisam atender à Resolução 362 do CONAMA, a qual define que o produtor, o importador e o revendedor de óleo lubrificante acabado, bem como o gerador de óleo lubrificante usado, são responsáveis pelo recolhimento do óleo. “Todo o óleo lubrificante usado ou contaminado coletado deverá ser destinado à reciclagem por meio do processo de rerrefino e as oficinas devem ter a certeza que a empresa dê a destinação correta”, enfatizou. Para isto, disse que elaborará uma cartilha contendo as documentações necessárias para que os reparadores não sejam prejudicados. 

Fiscalização de maquinários – Com relação à NR 12, norma regulamentadora que tem como objetivo garantir que máquinas e equipamentos sejam seguros para o uso do trabalhador, falou  que empresas estão sendo fiscalizadas. As documentações exigidas devem ser entregues em três dias. A recomendação é fazer inventário das máquinas e análise de risco. Disse que, junto com o Senai, será elaborada cartilha sobre o tema para auxiliar reparadores.

Linha de crédito – José Arnaldo Laguna, presidente da Câmara Setorial Retífica apresentou um novo produto – crédito para negativados do escritório Zanotta, que oferece as seguintes condições: valor do crédito até R$ 1.500,00, com prazo de parcelamento 3 a 24 vezes e desconto na conta de energia elétrica e juros de 8%. O pagamento cai em 8 dias para as oficinas e a taxa administrativa é de 6%. Benefício que foi aprovado pelos diretores para a continuidade das negociações. 

Novas fontes de combustível – Ricardo Cramer, vice-presidente do Sindirepa-SP, destacou a participação na 15ª edição do evento Veículo Elétrico Latino-Americamo 2019, que contou com mais de 60 marcas expositoras, 6.000 m² de exposição, mais de 7.200 participantes e mais de 300 congressistas. Disse que os principais objetivos do evento foram buscar novos parceiros e fornecedores, bem como redução de custos e networking. Ressaltou que, para o ano que vem, já solicitaram nova participação.

Claudio Torelli, presidente da Câmara Setorial Gás Veicular, relatou que o combustível virá forte nos veículos pesados, antecipando-se aos elétricos. Com relação aos veículos leves, disse que solicitará reunião para saber qual o programa que há para os automóveis com a Frente Parlamentar para tratar do gás, com a Comgás e com a GasBrasiliano, esta última responsável pela distribuição de Gás Natural na região noroeste do Estado de São Paulo abrangendo 375 municípios.

Redes sociais potencializam novos clientes – Sidney Mariano, da Oficina Nascar, falou sobre o projeto que a sua empresa de reparação tem nas redes sociais. “Atuávamos com frota Localiza, Movida, mas analisamos que quebraríamos em pouco tempo. Então, aderimos às redes sociais. Fizemos um Collab (vídeo gravado junto com outro canal) e explodimos de seguidores. Saltamos de 340 seguidores para 49.700”, comentou. Com isso, a oficina entrou no mercado de carros particulares. “É o cliente que nos indica, diz que nós somos bons, nos vende”, explicou o reparador, acrescentando que ganhou muitos clientes com o projeto. “Só nesta semana passaram 20 carros particulares”, concluiu. Luiz Sérgio Alvarenga destacou que a proposta é utilizar estas ferramentas nas redes sociais.

José Nogueira, presidente da Câmara Setorial Colisão, falou sobre a importância da realização de parcerias referentes às novas tecnologias, como a embarcada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *